nov.15 - jan.16

A Festa (da insignificância) / nov.15 - jan.16 Revista de Imprensa 1. Companhia Paulo Ribeiro - 20º Aniversário, Rua Direita Online, 09-12-2015 1 ...
5 downloads 0 Views 6MB Size
A Festa (da insignificância) / nov.15 - jan.16

Revista de Imprensa

1. Companhia Paulo Ribeiro - 20º Aniversário, Rua Direita Online, 09-12-2015

1

2. Companhia Paulo Ribeiro: "Uma Coisa Concreta" com 20 anos, Descla Online, 11-12-2015

2

3. A festa (da insignificância). de Paulo Ribeiro, Glam Magazine Online, 13-12-2015

4

4. A Festa (da insignificância) | Teatro Viriato, Viseu Now Online, 14-12-2015

5

5. TORRES NOVAS - Camané e Rodrigo Leão passam pelo Teatro Virgínia, Rádio Hertz Online, 14-12-2015

6

6. Apresentada agenda do Teatro Virgínia para os meses de janeiro, fevereiro e março, Notícias do Ribatejo Online, 14-12-2015

7

7. Tome nota, Diário de Viseu, 14-12-2015

8

8. Torres Novas: Município apresenta agenda do Teatro Virgínia para os meses de janeiro, fevereiro e março, Antena Livre Online, 14-12-2015

9

9. Teatro Nacional São João abre novo ano com sete estreias, Viva!Porto Online, 15-12-2015

10

10. Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016, Rádio Nova Online, 15-12-2015

11

11. Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016, RTP Online, 15-12-2015

13

12. Virgínia recebe concertos de Camané e Rodrigo Leão, Rede Regional Online, 15-12-2015

15

13. Teatro europeu regressa ao São João em 2016, Público Online, 15-12-2015

16

14. Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016, Porto Canal Online, 15-12-2015

18

15. Teatro de São João com sete estreias em seis meses, Notícias ao Minuto Online, 15-12-2015

20

16. Camané e Rodrigo Leão em Torres Novas, Entroncamento Online, 15-12-2015

22

17. Tome nota, Diário de Viseu, 15-12-2015

23

18. Camané e Rodrigo Leão no primeiro trimestre no Teatro Virgínia, Diário de Leiria, 15-12-2015

24

19. Teatro europeu regressa ao São João em 2016, CNC - Centro Nacional de Cultura Online - E-Cultura Online, 15-12-2015

25

20. Sete estreias no início de 2016 no Teatro Nacional São João, Sábado Online, 16-12-2015

27

21. Teatro europeu regressa ao São João com produção russo-britânica, Público, 16-12-2015

29

22. TNSJ: Novo ano, sete estreias, JPN Online, 16-12-2015

31

23. Tome nota, Diário de Viseu, 16-12-2015

33

24. Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa", Sapo Online - Sapo Notícias da Agência Lusa Online, 17-12-2015

34

25. Camané e Rodrigo Leão em Torres Novas, Ribatejo (O), 17-12-2015

36

26. Sugestões para um fim de semana em cheio, Observador Online, 17-12-2015

37

27. Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa", Notícias ao Minuto Online, 17-12-2015

39

28. Tome Nota, Diário de Viseu, 17-12-2015

40

29. Utopia da felicidade, Visão Online, 18-12-2015

41

30. Sugestões para o fim-de-semana | 19 e 20 de Dezembro - Guia do Lazer, Público Online - Guia do Lazer Online, 18-12-2015

42

31. 2015 - Dança, Público - Ípsilon, 18-12-2015

43

32. Dança - Agenda, Público - Público Porto, 18-12-2015

44

33. Coreógrafos sobre os 20 anos da companhia Paula Ribeiro, Jornal do Centro, 18-12-2015

45

34. Agenda de Dança, Jornal de Notícias - Jornal de Notícias - Porto, 18-12-2015

46

35. Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa", In Dancing Shoes Online, 18-12-2015

47

36. Companhia Paulo Ribeiro apresenta "festa intensa", Diário de Viseu Online, 18-12-2015

48

37. "A Festa" no palco do Teatro Viriato, Diário de Viseu, 18-12-2015

49

38. Tome nota, Diário de Viseu, 18-12-2015

51

39. Apresentada a agenda da nova temporada do Teatro Virgínia, Almonda (O), 18-12-2015

52

40. Agenda de Dança, Público - Público Porto, 19-12-2015

53

41. Dança, Jornal de Notícias, 19-12-2015

54

42. Dança - Balanço - Os melhores de 2015, Expresso - Revista E, 19-12-2015

55

43. "A Festa (da insignificância)", Rádio Nova Online, 22-12-2015

57

44. TNSJ Dá as Boas Vindas a 2016 Com Sete Estreias Canela & Hortelã Online, 22-12-2015

59

- C&H, Revista Online de Cultura, Lazer e Viagens,

45. Camané e Rodrigo Leão no primeiro trimestre de 2016 em Torres Novas, Médio Tejo Online, 29-12-2015

60

A1

Companhia Paulo Ribeiro - 20º Aniversário

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Rua Direita Online

Data Publicação:

09-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=249fc929

A Companhia Paulo Ribeiro está a celebrar o seu 20º aniversário com uma exposição fotográfica, uma criação recentemente estreada - A Festa (da insignificância) - e um livro - Uma Coisa Concreta. Este é um livro que fala do tempo, do espaço criado na história da dança contemporânea portuguesa e naturalmente, do seu coreógrafo, Paulo Ribeiro, numa proposta de olhar para estes 20 anos de histórias lidas, relidas e fotografadas. Com a coordenação de Tiago Bartolomeu Costa, a apresentação da obra será no próximo dia 11 de dezembro de 2015, às 19.00 horas, no Teatro Viriato, em Viseu. Joana Tarana

Página 1

A2

Companhia Paulo Ribeiro: "Uma Coisa Concreta" com 20 anos

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Descla Online

Data Publicação:

11-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=4b26a2f0

11 de Dezembro de 2015 , 11:12 Para assinalar os 20 anos da companhia, o Teatro Viriato recebe hoje o lançamento do livro "Uma coisa concreta" e, no próximo fim de semana, a nova criação, "A Festa (da Insignificância)" Os 20 anos da Companhia Paulo Ribeiro já são "Uma Coisa Concreta", nome do livro que é hoje apresentado no Teatro Viriato, em Viseu, pelo criador da companhia, Paulo Ribeiro, e por Tiago Bartolomeu Costa, coordenador da obra. "Para Paulo Ribeiro, os últimos vinte anos de percurso coreográfico são uma história no interior da sua própria biografia. Mas as criações assinadas pela sua Companhia são também uma história no interior da história da dança contemporânea portuguesa", revela o Teatro Viriato. Com a apresentação deste livro, marcada para as 19:00 horas e de entrada gratuita, a Companhia pretende não só fixar essa história, como também, e sobretudo, olhar para ela e perceber de que modo se tornou um exemplo "nas relações entre autor e intérpretes ou discurso artístico e contexto de apresentação". A comemoração dos 20 anos continua no próximo fim de semana, com a última das mais de duas dezenas de criações da Companhia Paulo Ribeiro: "A Festa (da Insignificância)", que estreou em novembro na Culturgest, em Lisboa, assume-se assim como "uma festa, na qual o coreógrafo tem a pretensão de dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades" na qual o público é parte do espetáculo. As sessões decorrem noa dias 18 e 19, a partir das 21:30. No âmbito da apresentação da nova criação, Paulo Ribeiro vai orientar, no sábado, uma aula destinada a pessoas interessadas no contacto com a linguagem do coreógrafo. Paulo Ribeiro - quem é? Natural de Lisboa, Paulo Ribeiro começou por ser bailarino em várias companhias belgas e francesas, e a estreia como coreógrafo deu-se em 1984, em Paris, no âmbito da companhia Stridanse, da qual foi cofundador. Ali participou em diversos concursos, obtendo, logo no ano da estreia como criador, o prémio de Humor do Concurso Volinine e, no ano seguinte, o 2.º prémio de Dança Contemporânea. De regresso a Portugal, em 1988, colaborou com a Companhia de Dança de Lisboa e o Ballet Gulbenkian, o qual chegou a dirigir. Com o solo Modo de utilização, interpretado por si próprio, representou Portugal no Festival Europália 91, em Bruxelas, na Bélgica. Em 1994 venceu o Prémio Acarte/Maria Madalena de Azeredo Perdigão, pela obra Dançar Cabo Verde,

Página 2

encomenda de Lisboa 94 -Capital Europeia de Cultura, realizada conjuntamente com Clara Andermatt, e em 1999, conquistou o Prémio Almada do Instituto Português das Artes do Espetáculo. Pelo meio, em 1995, já havia fundado a companhia em nome próprio. Entre 1998 e 2003 Paulo Ribeiro ocupou o cargo de diretor-geral e de programação do Teatro Viriato/CRAE (Centro Regional das Artes do Espetáculo das Beiras), e foi ainda Comissário para a Dança em Coimbra 2003 - Capital Europeia da Cultura. Após a extinção do Ballet Gulbenkian, em 2005, voltou ao Teatro Viriato, em Viseu, para ocupar o cargo de diretor-geral e de programação.

Página 3

A4

A festa (da insignificância). de Paulo Ribeiro

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Glam Magazine Online

Data Publicação:

13-12-2015

URL:http://www.glam-magazine.pt/a-festa-da-insignificancia-de-paulo-412149

A Companhia Paulo Ribeiro celebra 20 anos e a sua história conta com mais de duas dezenas de criações, comprovando um percurso longo que se funde com a própria história da chamada nova dança portuguesa. Percetível também neste percurso é a presença de um m por Glam, em 13.12.15 A Companhia Paulo Ribeiro celebra 20 anos e a sua história conta com mais de duas dezenas de criações, comprovando um percurso longo que se funde com a própria história da chamada nova dança portuguesa. Percetível também neste percurso é a presença de um movimento perpétuo de exploração de espaço, ideias, conceitos, dúvidas, encontros, desencontros e surpresas. Se por um lado Paulo Ribeiro reconhece que os processos criativos são quase sempre angustiantes, o coreógrafo admite também que os recebe como momentos festivos. (c) José Alfredo A nova criação, que assinala os 20 anos, com estreia na Culturgest, assume-se assim como uma festa, na qual o coreógrafo tem a pretensão de dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades. Uma festa, uma manifestação de prazer, que se estende do autor ao palco e do palco ao público. A propósito da apresentação da nova criação, Paulo Ribeiro orientará uma aula destinada a pessoas interessadas no contacto com a linguagem do coreógrafo. Coreografia e Direção: Paulo Ribeiro Interpretação: Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Teresa Alves da Silva, Rosana Ribeiro, São Castro, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes Música: Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper Consultoria e direção musical: Miquel Bernat Músicos ao vivo: Drumming Grupo de Percussão (Miquel Bernat e Miguel Moreira) Figurinos: José António Tenente Desenho de luz: Nuno Meira Produção: Companhia Paulo Ribeiro Coprodução: Théâtre De Chaillot; Scène National De Besançon; Fundação Caixa Geral de Depósitos - Culturgest; Teatro Nacional São João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu Teatro Viriato (Viseu) 18 e 19 de Dezembro 2015 | 21.30h por Glam, em 13.12.15

Página 4

A5

A Festa (da insignificância) | Teatro Viriato

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Viseu Now Online

Data Publicação:

14-12-2015

URL:http://viseunow.pt/agenda_noticia.php?id=127

14.12.2015 sex e sáb 21h30 | duração a definir | m/ 12 anos preço A: 10EUR (plateia e camarotes)/ 7,50EUR (frisas frontais)/ 5EUR (frisas laterais) descontos aplicáveis | ESPAÇO CRIANÇA DISPONÍVEL Aula com Paulo Ribeiro sáb 16h00 | 90 min. | m/ 16 anos | preço único 4EUR | descontos não aplicáveis A Companhia Paulo Ribeiro celebra 20 anos e a sua história conta com mais de duas dezenas de criações, comprovando um percurso longo que se funde com a própria história da chamada nova dança portuguesa. Percetível também neste percurso é a presença de um movimento perpétuo de exploração de espaço, ideias, conceitos, dúvidas, encontros, desencontros e surpresas. Se por um lado Paulo Ribeiro reconhece que os processos criativos são quase sempre angustiantes, o coreógrafo admite também que os recebe como momentos festivos. A nova criação, que assinala os 20 anos, com estreia na Culturgest, assume-se assim como uma festa, na qual o coreógrafo tem a pretensão de dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades. Uma festa, uma manifestação de prazer, que se estende do autor ao palco e do palco ao público. A propósito da apresentação da nova criação, Paulo Ribeiro orientará uma aula destinada a pessoas interessadas no contacto com a linguagem do coreógrafo. Coreografia e Direção Paulo Ribeiro Interpretação Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Teresa Alves da Silva, Rosana Ribeiro, São Castro, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes Música de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper Consultoria e direção musical Miquel Bernat Músicos ao vivo Drumming Grupo de Percussão: Miquel Bernat e Miguel Moreira Figurinos José António Tenente Desenho de luz Nuno Meira Produção Companhia Paulo Ribeiro Coprodução Théâtre De Chaillot; Scène National De Besançon; Fundação Caixa Geral de Depósitos Culturgest; Teatro Nacional São João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu Agradecimentos Margarida Meireles e Companhia Nacional de Bailado

Página 5

A6

TORRES NOVAS - Camané e Rodrigo Leão passam pelo Teatro Virgínia

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Rádio Hertz Online

Data Publicação:

14-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=ed329ea3

14 Dezembro, 2015 A nova agenda do Teatro Virgínia, com a programação de janeiro a março de 2016, foi apresentada no passado sábado, dia 12 de dezembro. Destacam-se na música Camané, com o mais recente álbum Infinito Presente a 23 de janeiro, e Rodrigo Leão a apresentar O Retiro a 6 de fevereiro. Mário Daniel, autor, apresentador e mágico do Minutos Mágicos da SIC trará o espetáculo de ilusionismo Fora do Baralho a 30 de janeiro e na dança a Companhia Paulo Ribeiro apresenta A Festa (da Insignificância) a 5 de março. No teatro, Misterman, de Elmano Sancho, a 20 de fevereiro e Hamlet Talvez, a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Dando especial atenção às parcerias locais, a abertura desta nova temporada estará a cargo da Sociedade Velha Filarmónica Riachense (9 de janeiro) e, no fim de semana seguinte, no dia 16, Vera Montero traz-nos o espetáculo Dança para Músicos, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense. Para os mais novos estão agendadas um conjunto de atividades como o teatro Amarelo, de Catarina Requeijo, dos 3 aos 6 anos (12 e 13 de fevereiro), E Se Tudo Fosse Amarelo, de Sílvia Real, dos 6 aos 10 anos (26 e 27 de fevereiro) e Universos Paralelos, da companhia Mala Voadora, para alunos do 3.º ciclo e secundário, nos dias 11 e 12 de março. A propósito do Dia de São Valentim, e falando de (des)amor, haverá a projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas Broken Parts. No âmbito do Lab Criativo haverá ainda lugar para diversas atividades e oficinas, como um atelier de escrita criativa em parceria com a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes ou oficinas de dança, improvisação vocal e instrumental, Um Artista na Escola ou o Ensaio Aberto. Os bilhetes estarão à venda a partir de amanhã, terça-feira, dia 15 de dezembro, na bilheteira do Teatro Virgínia (terça a sexta das 13h às 19h e sábado das 15h às 19h) ou na Bilheteira Online (www.bol.pt)

Página 6

A7

Apresentada agenda do Teatro Virgínia para os meses de janeiro, fevereiro e março

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Notícias do Ribatejo Online

Data Publicação:

14-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=86c5d4bf

NOTICIAS DO RIBATEJO EM SUMARIO E ACTUALIZADAS PERIODICAMENTE - "A Imparcialidade Na Noticia" - UMA REFERÊNCIA NA INFORMAÇÃO REGIONAL - Apresentada agenda do Teatro Virgínia para os meses de janeiro, fevereiro e março A nova agenda do Teatro Virgínia, com a programação de janeiro a março de 2016, foi apresentada no passado sábado, dia 12 de dezembro. Destacam-se na música Camané, com o mais recente álbum Infinito Presente a 23 de janeiro, e Rodrigo Leão a apresentar O Retiro a 6 de fevereiro. Mário Daniel, autor, apresentador e mágico do Minutos Mágicos da SIC trará o espetáculo de ilusionismo Fora do Baralho a 30 de janeiro e na dança a Companhia Paulo Ribeiro apresenta A Festa (da Insignificância) a 5 de março. No teatro, Misterman, de Elmano Sancho, a 20 de fevereiro e Hamlet Talvez, a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Dando especial atenção às parcerias locais, a abertura desta nova temporada estará a cargo da Sociedade Velha Filarmónica Riachense (9 de janeiro) e, no fim de semana seguinte, no dia 16, Vera Montero traz-nos o espetáculo Dança para Músicos, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense. Para os mais novos estão agendadas um conjunto de atividades como o teatro Amarelo, de Catarina Requeijo, dos 3 aos 6 anos (12 e 13 de fevereiro), E Se Tudo Fosse Amarelo, de Sílvia Real, dos 6 aos 10 anos (26 e 27 de fevereiro) e Universos Paralelos, da companhia Mala Voadora, para alunos do 3.º ciclo e secundário, nos dias 11 e 12 de março. A propósito do Dia de São Valentim, e falando de (des)amor, haverá a projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas Broken Parts. No âmbito do Lab Criativo haverá ainda lugar para diversas atividades e oficinas, como um atelier de escrita criativa em parceria com a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes ou oficinas de dança, improvisação vocal e instrumental, Um Artista na Escola ou o Ensaio Aberto. Os bilhetes estarão à venda a partir de amanhã, terça-feira, dia 15 de dezembro, na bilheteira do Teatro Virgínia (terça a sexta das 13h às 19h e sábado das 15h às 19h) ou na Bilheteira Online (www.bol.pt) Segunda-feira, 14 de Dezembro de 2015 publicado por Noticias do Ribatejo às 20:39

Página 7

A8

ID: 62272129

14-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 25,03 x 22,13 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1 Natal no Mercado Municipal O Mercado Municipal recebe no sábado, entre as 10h00 e as 12h00, a Confeitaria Amaral, que dará dicas sobre a confecção de bolo rei.

tome nota HOJE

“A Festa” assinala 20 anos da Companhia Paulo Ribeiro

Operação Caça Sorrisos

O Teatro Viriato recebe, sexta-feira e sábado, às 21h30, a peça “A Festa (da Insignificância)”, que visa assinalar o 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro. O coreógrafo tem a pretensão de “dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades”. JOSÉ ALFREDO

A Junta de Viseu promove, às 14h30, uma festa de Natal destinada aos alunos do pré-escolar da freguesia, no auditório da Igreja Nova. A iniciativa intitula-se Operação Caça Sorrisos e juntará cerca de 240 crianças.

Ceia de Natal solidária

Apresentação de vencedor

O Centro Paroquial de São José, na Calçada de São Mateus, recebe a Ceia de Natal solidária organizada pela Junta de Freguesia de Viseu. A iniciativa contará com animação cultural.

A Junta de Freguesia de Viseu vai apresentar quinta-feira o projecto vencedor da segunda edição do seu Orçamento Participativo.

Eleições nas Obras Sociais da Câmara

AMANHÃ Festa de Natal na Aula Magna do IPV AAula Magna do Instituto Politécnico de Viseu recebe, a partir das 9h15, três sessões da peça de teatro “D. Afonso Henriques 3 em 1”, da companhia de teatro Output, de Lisboa, no âmbito da festa de Natal que a Junta de Viseu está a proporcionar aos alunos da freguesia.

às 18h00, o chef Diogo Pereira, para mais uma sessão de show-cooking no espaço Teka, no Piso 0. Às 20h00, segue-se o chef Diogo Rocha. Na sexta-feira, pelas 18h30, será a vez do chef Paulo Cardoso. Sábado, os chefs Luís Almeida e João Estáquio, estarão no espaço Teka, às 11h30 e 16h00, respectivamente. Domingo, às 16h00, realizase o pick-nick com os cinco chefs que participam na iniciativa.

As Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu irão realizar a eleição dos seus órgãos sociais na sexta-feira, entre as 18h30 e as 20h00, no Salão Multiusos da instituição.

rência que tem como tema "O Sol Inquieto".

Alexandre Aibeo no Colégio Imaculada Conceição

Filme-concerto no Teatro Viriato

No âmbito do II Ciclo de Conferências CIC, Alexandre Aibeo vai estar, pelas 15h00, no Colégio da Imaculada Conceição, para uma confe-

No âmbito do 60.º aniversário do Cine Clube de Viseu é exibido, amanhã e quarta-feira, às 21h30, no Teatro Viriato, o filme “O Navegante”,

de Buster Keaton e Donald Crisp, musicado ao vivo por Filipe Raposo e Bruno Pinto.

varro realiza quarta-feira, a partir das 9h00, o concurso "Mesas de Natal", em que cada turma terá de enfeitar a sua mesa para no fim ser avaliada por um júri.

PRÓXIMOS DIAS “Mesas de Natal” na Escola Emídio Navarro

Show-cooking no Forum

A Escola Secundária Emídio Na-

O Forum Viseu recebe, quinta-feira,

Apresentação de livros na Fnac No sábado, às 16h00, Inês Mocho vai estar na Fnac para apresentar o livro “Maquilhagem Real para Mulheres Reais”. Às 18h30, a Fnac recebe a apresentação do livro “Uma década pela Igualdade e Contra a Violência do Género”, da deputada Elza Pais, numa sessão promovida pela Edições Esgotadas.

Página 8

A9

Torres Novas: Município apresenta agenda do Teatro Virgínia para os meses de janeiro, fevereiro e março

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

14-12-2015

Meio:

Antena Livre Online

Autores:

Joana Margarida Carvalho

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=239bb87f

14 de Dezembro de 2015 A agenda para os primeiros três meses do ano, para o Teatro Virgínia, em Torres Novas, foi apresentada no passado sábado. Quanto à música destaca-se Camané, com o mais recente álbum, "Infinito Presente", a 23 de janeiro, e Rodrigo Leão a apresentar "O Retiro", a 6 de fevereiro. Mário Daniel, mágico e apresentador do "Minutos Mágicos" da SIC apresentará o espetáculo de ilusionismo "Fora do Baralho", a 30 de janeiro. Na dança, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta "A Festa (da insignificância) ", dia 5 de março. No teatro, Misterman, de Elmano Sancho, a 20 de fevereiro e Hamlet Talvez, a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Para os mais novos estão agendadas um conjunto de atividades como o teatro Amarelo, de Catarina Requeijo, dos 3 aos 6 anos (12 e 13 de fevereiro), E Se Tudo Fosse Amarelo, de Sílvia Real, dos 6 aos 10 anos (26 e 27 de fevereiro) e Universos Paralelos, da companhia Mala Voadora, para alunos do 3.º ciclo e secundário, nos dias 11 e 12 de março. No âmbito do Lab Criativo haverá ainda lugar para diversas atividades e oficinas, como um atelier de escrita criativa em parceria com a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes ou oficinas de dança, improvisação vocal e instrumental, Um Artista na Escola ou o Ensaio Aberto. Joana Carvalho

Página 9

A10

Teatro Nacional São João abre novo ano com sete estreias

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Viva!Porto Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=5f1d831

Terça, 15 Dezembro 2015 17:45 A programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) para o primeiro trimestre de 2016 inclui 14 espetáculos, sete dos quais são estreias (quatro absolutas e duas nacionais). "Acho que é um ótimo desafio para o público vir até nós durante estes três meses intensos de programação", declarou Nuno Carinhas, diretor artístico da instituição portuense. O responsável destacou a primeira apresentação nacional de "Guerra", encenado por Vladimir Pankov, uma coprodução dos festivais internacionais Tchekhov e de Edimburgo, que reforça "os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco". "Guerra" transporta o público para a consoada de Natal de um grupo de jovens artistas em 1913, que vai viver o horror da guerra pouco tempo depois. A peça, que vai ser apresentada em Portugal apenas nos dias 5 e 6 de fevereiro, questiona o poder da arte face à devastação de um conflito - a I Guerra Mundial, que começa em 1914. Nuno Carinhas destacou quatro estreias absolutas entre as sete previstas para o primeiro trimestre de 2016. "Dos Mundos Interiores", texto e encenação de Luís Mestre, é a primeira estreia absoluta e vai subir ao palco do Mosteiro de São Bento da Vitória, na sala do Tribunal, de 15 a 24 de janeiro. Trata-se de uma peça inspirada no romance "Anne Karenina", de Leo Tolstoy, onde Luís Mestre aborda a solidão, em chave feminina. "Habeas Corpus - Que Tenhas o teu corpo", de Ruben Marks, é outra estreia absoluta, que vai estar em cena no Teatro Carlos Alberto de 26 a 28 de fevereiro e tem como foco central o "desejo que deseja desejando, a partir de imagens polimorfas de arte viva". "(Des)individuação" de José Eduardo Silva sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto entre 10 e 20 de março e aborda o direito democrático da liberdade, mas que se vai condicionando por inúmeros fatores, designadamente o económico. "Beijo", com encenação de Jorge Pinto, é a quarta estreia absoluta e deverá ser apresentada entre 23 e 27 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória. Nesta peça, os atores Emília Silvestre e Paulo Freixinho vão explorar palavras e poesia de autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, David-Mourão Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andersen ou Michel Deutsch, entre outros. A 24 de março, o TNSJ acolhe a estreia nacional de um díptico de peças de Simon Stephens:" Águas Profundas" e "Terminal de Aeroporto". Em "Águas Profundas", três casais têm de fazer uma escolha que condicionará o seu futuro. As cenas são ligadas não só pela localização, mas também pelo facto de as pessoas e os acontecimentos num momento surgirem posteriormente noutro. Já "Terminal de Aeroporto" é um monólogo que retrata a viagem pelo coração invisível de uma cidade através de um voo mágico e sombrio pelos limites do século XXI. Mas o ano de 2016 no TNSJ arranca a 14 de janeiro com a peça "Doce Pássaro da Juventude", de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro, o mês em que o São João vai assinalar também os 400 anos da morte do dramaturgo e poeta William Shakespeare com um seminário, orientado por Ana Luísa Amaral, onde se vão ler e decifrar seis peças do artista nascido no século XVI e cujos textos atravessam os tempos e são atuais. De 21 de janeiro a 7 de fevereiro, o Teatro Carlos Alberto acolhe a peça "Quarteto", de Heine Müller, uma coprodução do TNSJ e do Centro Cultural de Belém e com conceção e encenação de Carlos Pimenta. "Finge", de Carlos J. Pessoa, "Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a", a partir de A Gaivota de Tchékov, "A Festa (da insignificância)", com direção e coreografia de Paulo Ribeiro, ""Graça: Suite Teatral em três movimentos" e "As Raposas" são outros espetáculos previstos na programação do TNSJ.

Página 10

A11

Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Rádio Nova Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.radionova.fm/noticias/ler/25895

15 de Dezembro de 2015 | por O Teatro Nacional de São João, Porto, abre 2016 com sete estreias entre os 14 espetáculos levados a cena, com destaque para "Guerra", num programa "intenso", como classificou hoje o diretor artístico. "Acho que é um ótimo desafio para o público vir até nós durante estes três meses intensos de programação", declarou à Lusa Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional de São João (TNSJ), à margem da apresentação oficial da programação de janeiro a março de 2016. Nuno Carinha destacou a primeira apresentação nacional de "Guerra", encenado por Vladimir Pankov, uma coprodução dos festivais internacionais Tchekhov e de Edimburgo, que reforça "os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco". "Guerra" transporta o público para uma a consoada de Natal de um grupo de jovens artistas em 1913, que vai viver o horror da guerra pouco tempo depois. A peça, que vai ser levada à cena em Portugal apenas nos dias 5 e 6 de fevereiro, questiona o poder da arte face à devastação de um conflito - a I Guerra Mundial, que começa em 1914. O diretor artístico do TNSJ afirma que está "muito entusiasmado com estes futuros três meses de programação", observa que a programação foi feita "com muita antecedência" e que "nada é improvisado" e destaca quatro estreias absolutas entre as sete previstas para o primeiro trimestre de 2016. "Dos Mundos Interiores", texto e encenação de Luís Mestre, é a primeira estreia absoluta e vai subir ao palco do Mosteiro de São Bento da Vitória, na sala do Tribunal, de 15 a 24 de janeiro. Trata-se de uma peça coproduzida pelo Teatro Nova Europa, TNSJ e com o apoio das Visões Úteis e Teatro Íntimo, dedicado a um público maior de 16 anos e que se inspirou no romance Anne Karenina, de Leo Tolstoy, como contou hoje Luís Mestre, na conferência de imprensa onde apresentou o seu projeto que vai abordar a solidão, em chave feminina. "Habeas Corpus -- Que Tenhas o teu corpo", de Ruben Marks, é outra estreia absoluta, que vai estar em cena no Teatro Carlos Alberto de 26 a 28 de fevereiro e tem como foco central o "desejo que deseja desejando, a partir de imagens polimorfas de arte viva". "(Des)individuação" de José Eduardo Silva, é uma coprodução do Teatro Frio e do TNSJ e é a terceira estreia absoluta da programação do TNSJ. A peça sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto entre 10 e 20 de março e aborda o direito democrático da liberdade, mas que se vai condicionando por inúmeros fatores, designadamente o económico. "Beijo" é a quarta estreia absoluta que está prevista ser apresentada entre 23 e 27 de março no

Página 11

Mosteiro de São Bento da Vitória e que vai ter os atores Emília Silvestre e Paulo Freixinho a explorar palavras e poesia de autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, David-Mourão Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andersen ou Michel Deutsch, entre outros. "Vai ser um teatro muito físico, muito orgânico", declarou, na conferência de imprensa, a atriz Emília Silvestre, prometendo muitos beijos em palco com o ator Paulo Freixinho, apesar da peça encenado por Jorge Pinto se chamar "Beijo", no singular. O ano de 2016 no TNSJ arranca a 14 de janeiro com a peça "Doce Pássaro da Juventude", de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro, o mês em que o São João também vai assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo e poeta William Shakespeare com um seminário, onde se vão ler e decifrar, sob orientação de Ana Luísa Amaral, seis peças do artista nascido no século XVI e cujos textos atravessam os tempos e são atuais. "Quarteto", de Heine Müller, uma coprodução do TNSJ e do Centro Cultural de Belém e com conceção e encenação de Carlos Pimenta, chega ao Teatro Carlos Alberto a 21 de janeiro e pode ser visto até 7 de fevereiro. "Finge", de Carlos J. Pessoa, "Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a", a partir de A Gaivota de Tchékov, "A Festa (da insignificância)", com direção e coreografia de Paulo Ribeiro, ""Graça: Suite Teatral em três movimentos" e "As Raposas" são outros espetáculos previstos na programação do TNSJ. Para 2016 vão manter-se os bilhetes conjuntos para visitas guiadas quer ao TNSJ, quer ao Mosteiro de São Bento da Vitória, por seis euros. O Teatro Nacional de São João responde pela programação da casa de espetáculos do mesmo nome, do Teatro Carlos Alberto e do Mosteiro de São Bento da Vitória.

Página 12

A13

Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016

Tipo Meio:

Internet

Meio:

RTP Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=415a120d

Lusa 15 Dez, 2015, 18:45 | Cultura O Teatro Nacional de São João, Porto, abre 2016 com sete estreias entre os 14 espetáculos levados a cena, com destaque para "Guerra", num programa "intenso", como classificou hoje o diretor artístico. "Acho que é um ótimo desafio para o público vir até nós durante estes três meses intensos de programação", declarou à Lusa Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional de São João (TNSJ), à margem da apresentação oficial da programação de janeiro a março de 2016. Nuno Carinha destacou a primeira apresentação nacional de "Guerra", encenado por Vladimir Pankov, uma coprodução dos festivais internacionais Tchekhov e de Edimburgo, que reforça "os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco". "Guerra" transporta o público para uma a consoada de Natal de um grupo de jovens artistas em 1913, que vai viver o horror da guerra pouco tempo depois. A peça, que vai ser levada à cena em Portugal apenas nos dias 5 e 6 de fevereiro, questiona o poder da arte face à devastação de um conflito - a I Guerra Mundial, que começa em 1914. O diretor artístico do TNSJ afirma que está "muito entusiasmado com estes futuros três meses de programação", observa que a programação foi feita "com muita antecedência" e que "nada é improvisado" e destaca quatro estreias absolutas entre as sete previstas para o primeiro trimestre de 2016. "Dos Mundos Interiores", texto e encenação de Luís Mestre, é a primeira estreia absoluta e vai subir ao palco do Mosteiro de São Bento da Vitória, na sala do Tribunal, de 15 a 24 de janeiro. Trata-se de uma peça coproduzida pelo Teatro Nova Europa, TNSJ e com o apoio das Visões Úteis e Teatro Íntimo, dedicado a um público maior de 16 anos e que se inspirou no romance Anne Karenina, de Leo Tolstoy, como contou hoje Luís Mestre, na conferência de imprensa onde apresentou o seu projeto que vai abordar a solidão, em chave feminina. "Habeas Corpus -- Que Tenhas o teu corpo", de Ruben Marks, é outra estreia absoluta, que vai estar em cena no Teatro Carlos Alberto de 26 a 28 de fevereiro e tem como foco central o "desejo que deseja desejando, a partir de imagens polimorfas de arte viva". "(Des)individuação" de José Eduardo Silva, é uma coprodução do Teatro Frio e do TNSJ e é a terceira estreia absoluta da programação do TNSJ. A peça sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto entre 10 e 20 de março e aborda o direito democrático da liberdade, mas que se vai condicionando por inúmeros fatores, designadamente o económico. "Beijo" é a quarta estreia absoluta que está prevista ser apresentada entre 23 e 27 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória e que vai ter os atores Emília Silvestre e Paulo Freixinho a explorar palavras e poesia de autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, David-Mourão Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andersen ou Michel Deutsch, entre outros. "Vai ser um teatro muito físico, muito orgânico", declarou, na conferência de imprensa, a atriz Emília Silvestre, prometendo muitos beijos em palco com o ator Paulo Freixinho, apesar da peça encenado por Jorge Pinto se chamar "Beijo", no singular. O ano de 2016 no TNSJ arranca a 14 de janeiro com a peça "Doce Pássaro da Juventude", de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro, o mês em que o São João também vai assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo e poeta William Shakespeare com um seminário, onde se vão ler e decifrar, sob orientação de Ana Luísa Amaral, seis peças do artista nascido no século XVI e cujos textos atravessam os tempos e são atuais. "Quarteto", de Heine Müller, uma coprodução do TNSJ e do Centro Cultural de Belém e com conceção e encenação de Carlos Pimenta, chega ao Teatro Carlos Alberto a 21 de janeiro e pode ser visto até 7 de fevereiro. "Finge", de Carlos J. Pessoa, "Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a", a partir de A Gaivota de Tchékov, "A Festa (da insignificância)", com direção e coreografia de Paulo Ribeiro, ""Graça: Suite Teatral em três

Página 13

movimentos" e "As Raposas" são outros espetáculos previstos na programação do TNSJ. Para 2016 vão manter-se os bilhetes conjuntos para visitas guiadas quer ao TNSJ, quer ao Mosteiro de São Bento da Vitória, por seis euros. O Teatro Nacional de São João responde pela programação da casa de espetáculos do mesmo nome, do Teatro Carlos Alberto e do Mosteiro de São Bento da Vitória. 15 Dez, 2015, 18:45|

Página 14

A15

Virgínia recebe concertos de Camané e Rodrigo Leão

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Rede Regional Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=fed10608

terça, 15 dezembro 2015 Os concertos de Camané e Rodrigo Leão são os principais destaques da programação do teatro Virgínia, em Torres Novas, para o primeiro trimestre de 2016. Camané traz a Torres Novas o seu álbum mais recente, "Infinito Presente", no dia 23 de janeiro, ao passo que Rodrigo Leão vem apresentar "O Retiro" a 6 de fevereiro, segundo a agenda que foi divulgada pelo próprio cineteatro. No que se refere à restante programação, Mário Daniel, o apresentador e mágico do "Minutos Mágicos" da SIC, apresenta o espetáculo de ilusionismo "Fora do Baralho" a 30 de janeiro, ao passo que, na dança, a Companhia Paulo Ribeiro apresenta "A Festa (da Insignificância)" a 5 de março. No teatro, "Misterman", de Elmano Sancho, sobe ao palco a 20 de fevereiro, e "Hamlet Talvez", a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Em termos de parcerias locais, a abertura desta nova temporada estará a cargo da Sociedade Velha Filarmónica Riachense, no dia 9 de janeiro, e, no fim de semana seguinte, a 16, Vera Montero traz o espetáculo "Dança para Músicos", em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense.

Página 15

A16

Teatro europeu regressa ao São João em 2016

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

15-12-2015

Meio:

Público Online

Autores:

Sérgio Costa Andrade

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=f7c7041d

Por Sérgio C. Andrade 15/12/2015 - 18:29 (actualizado às 19:10) Guerra, co-produção russobritânica, chega ao Porto a 5 de Fevereiro. Haverá mais seis estreias entre os 14 espectáculos no calendário deste teatro nacional para o primeiro trimestre de 2016. O regresso de uma grande produção internacional, Guerra, uma parceria dos festivais internacionais de teatro Tchékhov, em Moscovo, e de Edimburgo, na Escócia, com encenação do russo Vladimir Pankov (SounDrama Studio), será um ponto alto na programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) para o primeiro trimestre do próximo ano, divulgada esta terça-feira no Porto. Nuno Carinhas, director artístico do TNSJ, chamoulhe mesmo a "pièce de résistance" do calendário de Janeiro a Março, revelando que esta é uma criação que este teatro nacional tentou trazer a Portugal desde a sua estreia no Festival de Edimburgo em Agosto de 2014. Produzida a pretexto do centenário do início da 1ª. Guerra Mundial (1914-18), Guerra já foi descrito como "um cruel ballet operático" a recriar os dias anteriores à eclosão do conflito que haveria de mudar o mundo, logo no início do século XX. "Uma intempestiva incursão nas imagens e nos sons da guerra, interrogando o poder da arte face à devastação", acrescentou Carinhas na apresentação deste espectáculo que ficará em cena no palco do TNSJ - em língua inglesa e russa, com legendas em português - apenas dois dias: 5 e 6 de Fevereiro. A dialogar com esta produção sobre o tema da guerra, Nuno Carinhas - que disse estar disponível para se manter como director artístico do TNSJ até final do seu mandato, que entende ir até Outubro de 2017, mas sem pretender eternizar-se no lugar - antecipou a criação para Outubro próximo, numa parceria de encenação com Nuno M. Cardoso, da peça de Karl Kraus, Os Últimos Dias da Humanidade. Numa programação apresentada num novo contexto político, a presidente da administração do TNSJ, Francisca Carneiro Fernandes, manifestou a expectativa que a instituição possa "voltar a respirar com um bocadinho mais de alívio", referindo-se à "luta pela sobrevivência" vivida pela instituição nos últimos anos, e ao desejo de fazer regressar a produção própria, que no ciclo de 2008-15 viu o seu orçamento "reduzido em 86%" da verba disponível. Quatro estreias absolutas Apesar deste contexto, o TNSJ vai fazer sete estreias (quatro absolutas, duas nacionais) entre os 14 espectáculos que estarão no calendário dos seus três palcos (o próprio São João, o Teatro Carlos Alberto - TeCA, e o Mosteiro de São Bento da Vitória MSBV) até 27 de Março, que é simultaneamente Dia Mundial do Teatro e domingo de Páscoa. Uma das estreias absolutas será Dos Mundos Interiores (MSBV, 15 de Janeiro), com texto e encenação de Luís Mestre (Teatro Nova Europa), que, no salão nobre do TNSJ, apresentou esta sua criação como "um diálogo interior e íntimo de uma mulher só", mas também "uma metáfora" sobre o próprio acto da escrita. Duas outras criações novas com estreia no Porto são (Des)Individuação, texto, encenação e interpretação de José Eduardo Silva, coprodução com o Teatro do Frio (TeCA, 10 de Março), e Beijo, encenação de Jorge Pinto numa parceria com o Ensemble - Sociedade de Actores (MSBV, 23 de Março), com Emília Silvestre a Paulo Freixinho em palco. Sobre o primeiro espectáculo, José Eduardo Silva explicou que "está tudo ainda por fazer", mas que quer apostar numa criação colectiva com músicos, abordando o conceito de "desindividuação" elaborado pelos filósofos Gilbert Simondon e Bernard Stiegler sobre o lugar do indivíduo (e da arte) no mundo globalizado. Emília Silvestre disse que Beijo é também ainda uma peça "em construção", que parte da peça de Michel Deutsch, Les Baisers, para criar "um espectáculo muito físico e orgânico" sobre a poesia portuguesa, de Pessoa a Eugénio de Andrade, de David Mourão-Ferreira a Ana Luísa Amaral. O quarto espectáculo com estreia nacional no Porto será Habeas Corpus - Que tenhas o teu corpo, uma peça "cénico-teatral dramática",

Página 16

também ainda em construção, de Ruben Marks (TeCA, 26 de Fevereiro). Nuno Carinhas apresentou esta criação como fazendo parte de "um triciclo da dança", que inclui também Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a, de Victor Hugo Pontes (estreia nacional no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, a 4 de Fevereiro, chegando ao TNSJ no dia 11); e A Festa (da insignificância), que Paulo Ribeiro estreou em Novembro em Lisboa, a assinalar os 20 anos de actividade da sua companhia (e que chega esta sexta-feira ao Teatro Viriato, em Viseu, e depois ao TNSJ, a 18 de Fevereiro). Sobre a sua peça, também ainda "em construção", Victor Hugo Pontes disse que ela vai misturar duas gerações de actores e bailarinos numa criação sobre o amor e a comunicação, partindo de A Gaivota, de Tchékhov. Regressando às estreias, a primeira a subir ao TeCA (21 de Janeiro) será Quarteto, uma nova encenação em Portugal do clássico de Heiner Müller, desta vez assinada por Carlos Pimenta, numa coprodução com o CCB. "Será uma peça muito aberta, tanto para o encenador como para os actores e demais colaboradores", disse o encenador, acrescentando estar a trabalhar sobre o tema da manipulação, do desejo, do erotismo, mas também da morte, a partir de Ligações Perigosas, de Choderlos de Laclos. A completar o leque das estreias, Nuno M. Cardoso encena Águas Profundas + Terminal de Aeroporto (TNSJ, 24 de Março), um projecto "dois em um" sobre o amor e a perda na vida urbana moderna, em que vem trabalhando desde há dois anos, a partir de duas peças do dramaturgo britânico Simon Stephens, que serão estreadas em palcos portugueses. "Vai ser um espectáculo fabuloso", prometeu o encenador sobre esta coprodução com a Cão Danado (Braga) e A Oficina (Guimarães), que depois do Porto correrá estas cidades e outras do país. O calendário de espectáculos do primeiro trimestre de 2016 completa-se com a produção d'Os Artistas Unidos, Doce Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, encenação de Jorge Silva Melo (TNSJ, 14 de Janeiro); duas produções do Teatro da Garagem com encenação de Carlos J. Pessoa: Finge (MSBV, 4 de Fevereiro) e Graça: Suite teatral em três movimentos (TeCA, 12 de Fevereiro), esta criada sobre a pintura de Graça Morais. Serão também apresentadas no Porto o "policial" As Raposas, de Lillian Hellman, encenação de João Lourenço para o Novo Grupo/Teatro Aberto (TNSJ, 3 de Março), e a produção do Teatro da Comuna, Misterman, de Enda Walsh, encenação e interpretação de Elmano Sancho (MSBV, 4 de Março). Na programação paralela aos espectáculos, o destaque vai para o programa Shakespeare 400 nos projectos educativos, em que, a pretexto do 4º centenário da morte do dramaturgo inglês (1564-1616), que ocorre no próximo ano, a poeta e ensaísta Ana Luísa Amaral dirigirá, entre 16 de Janeiro e 4 de Junho, a leitura de seis peças, de O Mercador de Veneza a Romeu e Julieta. "Vivemos um ciclo político novo e inédito, vamos acreditar que seja mais atreito aos vírus artísticos", disse Nuno Carinhas a encerrar a apresentação do programa. 15/12/2015 - 18:29 19:10) Guerra Sérgio C. Andrade

Página 17

A18

Teatro São João do Porto com sete estreias no 1.º semestre de 2016

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Porto Canal Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://portocanal.sapo.pt/noticia/77052/

Porto, 15 dez (Lusa) -- O Teatro Nacional de São João, Porto, abre 2016 com sete estreias entre os 14 espetáculos levados a cena, com destaque para "Guerra", num programa "intenso", como classificou hoje o diretor artístico. "Acho que é um ótimo desafio para o público vir até nós durante estes três meses intensos de programação", declarou à Lusa Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional de São João (TNSJ), à margem da apresentação oficial da programação de janeiro a março de 2016. Nuno Carinha destacou a primeira apresentação nacional de "Guerra", encenado por Vladimir Pankov, uma coprodução dos festivais internacionais Tchekhov e de Edimburgo, que reforça "os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco". "Guerra" transporta o público para uma a consoada de Natal de um grupo de jovens artistas em 1913, que vai viver o horror da guerra pouco tempo depois. A peça, que vai ser levada à cena em Portugal apenas nos dias 5 e 6 de fevereiro, questiona o poder da arte face à devastação de um conflito - a I Guerra Mundial, que começa em 1914. O diretor artístico do TNSJ afirma que está "muito entusiasmado com estes futuros três meses de programação", observa que a programação foi feita "com muita antecedência" e que "nada é improvisado" e destaca quatro estreias absolutas entre as sete previstas para o primeiro trimestre de 2016. "Dos Mundos Interiores", texto e encenação de Luís Mestre, é a primeira estreia absoluta e vai subir ao palco do Mosteiro de São Bento da Vitória, na sala do Tribunal, de 15 a 24 de janeiro. Trata-se de uma peça coproduzida pelo Teatro Nova Europa, TNSJ e com o apoio das Visões Úteis e Teatro Íntimo, dedicado a um público maior de 16 anos e que se inspirou no romance Anne Karenina, de Leo Tolstoy, como contou hoje Luís Mestre, na conferência de imprensa onde apresentou o seu projeto que vai abordar a solidão, em chave feminina. "Habeas Corpus -- Que Tenhas o teu corpo", de Ruben Marks, é outra estreia absoluta, que vai estar em cena no Teatro Carlos Alberto de 26 a 28 de fevereiro e tem como foco central o "desejo que deseja desejando, a partir de imagens polimorfas de arte viva". "(Des)individuação" de José Eduardo Silva, é uma coprodução do Teatro Frio e do TNSJ e é a terceira estreia absoluta da programação do TNSJ. A peça sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto entre 10 e 20 de março e aborda o direito democrático da liberdade, mas que se vai condicionando por inúmeros fatores, designadamente o económico. "Beijo" é a quarta estreia absoluta que está prevista ser apresentada entre 23 e 27 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória e que vai ter os atores Emília Silvestre e Paulo Freixinho a explorar

Página 18

palavras e poesia de autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, David-Mourão Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andersen ou Michel Deutsch, entre outros. "Vai ser um teatro muito físico, muito orgânico", declarou, na conferência de imprensa, a atriz Emília Silvestre, prometendo muitos beijos em palco com o ator Paulo Freixinho, apesar da peça encenado por Jorge Pinto se chamar "Beijo", no singular. O ano de 2016 no TNSJ arranca a 14 de janeiro com a peça "Doce Pássaro da Juventude", de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro, o mês em que o São João também vai assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo e poeta William Shakespeare com um seminário, onde se vão ler e decifrar, sob orientação de Ana Luísa Amaral, seis peças do artista nascido no século XVI e cujos textos atravessam os tempos e são atuais. "Quarteto", de Heine Müller, uma coprodução do TNSJ e do Centro Cultural de Belém e com conceção e encenação de Carlos Pimenta, chega ao Teatro Carlos Alberto a 21 de janeiro e pode ser visto até 7 de fevereiro. "Finge", de Carlos J. Pessoa, "Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a", a partir de A Gaivota de Tchékov, "A Festa (da insignificância)", com direção e coreografia de Paulo Ribeiro, ""Graça: Suite Teatral em três movimentos" e "As Raposas" são outros espetáculos previstos na programação do TNSJ. Para 2016 vão manter-se os bilhetes conjuntos para visitas guiadas quer ao TNSJ, quer ao Mosteiro de São Bento da Vitória, por seis euros. O Teatro Nacional de São João responde pela programação da casa de espetáculos do mesmo nome, do Teatro Carlos Alberto e do Mosteiro de São Bento da Vitória. CCM // JGJ Lusa/fim 15-12-2015 14:51 |Porto Canal com Lusa

Página 19

A20

Teatro de São João com sete estreias em seis meses

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Notícias ao Minuto Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=b8888648

O Teatro Nacional de São João, Porto, abre 2016 com sete estreias entre os 14 espetáculos levados a cena, com destaque para 'Guerra', num programa "intenso", como classificou hoje o diretor artístico. "Acho que é um ótimo desafio para o público vir até nós durante estes três meses intensos de programação", declarou à Lusa Nuno Carinhas, diretor artístico do Teatro Nacional de São João (TNSJ), à margem da apresentação oficial da programação de janeiro a março de 2016. PUB Nuno Carinha destacou a primeira apresentação nacional de 'Guerra', encenado por Vladimir Pankov, uma coprodução dos festivais internacionais Tchekhov e de Edimburgo, que reforça "os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco". 'Guerra' transporta o público para uma a consoada de Natal de um grupo de jovens artistas em 1913, que vai viver o horror da guerra pouco tempo depois. A peça, que vai ser levada à cena em Portugal apenas nos dias 5 e 6 de fevereiro, questiona o poder da arte face à devastação de um conflito - a I Guerra Mundial, que começa em 1914. O diretor artístico do TNSJ afirma que está "muito entusiasmado com estes futuros três meses de programação", observa que a programação foi feita "com muita antecedência" e que "nada é improvisado" e destaca quatro estreias absolutas entre as sete previstas para o primeiro trimestre de 2016. 'Dos Mundos Interiores', texto e encenação de Luís Mestre, é a primeira estreia absoluta e vai subir ao palco do Mosteiro de São Bento da Vitória, na sala do Tribunal, de 15 a 24 de janeiro. Trata-se de uma peça coproduzida pelo Teatro Nova Europa, TNSJ e com o apoio das Visões Úteis e Teatro Íntimo, dedicado a um público maior de 16 anos e que se inspirou no romance Anne Karenina, de Leo Tolstoy, como contou hoje Luís Mestre, na conferência de imprensa onde apresentou o seu projeto que vai abordar a solidão, em chave feminina. 'Habeas Corpus -- Que Tenhas o teu corpo', de Ruben Marks, é outra estreia absoluta, que vai estar em cena no Teatro Carlos Alberto de 26 a 28 de fevereiro e tem como foco central o "desejo que deseja desejando, a partir de imagens polimorfas de arte viva". '(Des)individuação' de José Eduardo Silva, é uma coprodução do Teatro Frio e do TNSJ e é a terceira estreia absoluta da programação do TNSJ. A peça sobe ao palco do Teatro Carlos Alberto entre 10 e 20 de março e aborda o direito democrático da liberdade, mas que se vai condicionando por inúmeros fatores, designadamente o económico. "Beijo" é a quarta estreia absoluta que está prevista ser apresentada entre 23 e 27 de março no Mosteiro de São Bento da Vitória e que vai ter os atores Emília Silvestre e Paulo Freixinho a explorar palavras e poesia de autores como Fernando Pessoa, Eugénio de Andrade, David-Mourão Ferreira, Sophia de Mello Breyner Andersen ou Michel Deutsch, entre outros. "Vai ser um teatro muito físico, muito orgânico", declarou, na conferência de imprensa, a atriz Emília Silvestre, prometendo muitos beijos em palco com o ator Paulo Freixinho, apesar da peça encenado por Jorge Pinto se chamar 'Beijo', no singular. O ano de 2016 no TNSJ arranca a 14 de janeiro com a peça 'Doce Pássaro da Juventude', de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro, o mês em que o São João também vai assinalar os 400 anos da morte do dramaturgo e poeta William Shakespeare com um seminário, onde se vão ler e decifrar, sob orientação de Ana Luísa Amaral, seis peças do artista nascido no século XVI e cujos textos atravessam os tempos e são atuais. 'Quarteto', de Heine Müller, uma coprodução do TNSJ e do Centro Cultural de Belém e com conceção e encenação de Carlos Pimenta, chega ao Teatro Carlos Alberto a 21 de janeiro e pode ser visto até 7 de fevereiro. 'Finge', de Carlos J. Pessoa, 'Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a', a partir de A Gaivota de Tchékov, 'A Festa (da insignificância)', com direção e coreografia de Paulo Ribeiro, ''Graça: Suite Teatral em três movimentos' e 'As Raposas' são outros

Página 20

espetáculos previstos na programação do TNSJ. Para 2016 vão manter-se os bilhetes conjuntos para visitas guiadas quer ao TNSJ, quer ao Mosteiro de São Bento da Vitória, por seis euros. O Teatro Nacional de São João responde pela programação da casa de espetáculos do mesmo nome, do Teatro Carlos Alberto e do Mosteiro de São Bento da Vitória. Há 25 mins

Página 21

A22

Camané e Rodrigo Leão em Torres Novas

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Entroncamento Online

Data Publicação:

15-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=89f47b23

A nova agenda do Teatro Virgínia, com a programação de janeiro a março de 2016, foi apresentada no passado sábado, dia 12 de dezembro. Destacam-se na música Camané, com o mais recente álbum Infinito Presente a 23 de janeiro, e Rodrigo Leão a apresentar O Retiro a 6 de fevereiro. Mário Daniel, autor, apresentador e mágico do Minutos Mágicos da SIC trará o espetáculo de ilusionismo Fora do Baralho a 30 de janeiro e na dança a Companhia Paulo Ribeiro apresenta A Festa (da Insignificância) a 5 de março. No teatro, Misterman, de Elmano Sancho, a 20 de fevereiro e Hamlet Talvez, a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Dando especial atenção às parcerias locais, a abertura desta nova temporada estará a cargo da Sociedade Velha Filarmónica Riachense (9 de janeiro) e, no fim de semana seguinte, no dia 16, Vera Montero traz-nos o espetáculo Dança para Músicos, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense. Para os mais novos estão agendadas um conjunto de atividades como o teatro Amarelo, de Catarina Requeijo, dos 3 aos 6 anos (12 e 13 de fevereiro), E Se Tudo Fosse Amarelo, de Sílvia Real, dos 6 aos 10 anos (26 e 27 de fevereiro) e Universos Paralelos, da companhia Mala Voadora, para alunos do 3.º ciclo e secundário, nos dias 11 e 12 de março. A propósito do Dia de São Valentim, e falando de (des)amor, haverá a projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas Broken Parts. No âmbito do Lab Criativo haverá ainda lugar para diversas atividades e oficinas, como um atelier de escrita criativa em parceria com a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes ou oficinas de dança, improvisação vocal e instrumental, Um Artista na Escola ou o Ensaio Aberto. Os bilhetes estarão à venda a partir de amanhã, terça-feira, dia 15 de dezembro, na bilheteira do Teatro Virgínia (terça a sexta das 13h às 19h e sábado das 15h às 19h) ou na Bilheteira Online (www.bol.pt)

Página 22

A23

ID: 62287353

15-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 16,60 x 20,90 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

tome nota HOJE

AMANHÃ

cipam na iniciativa.

Festa de Natal na Aula Magna do IPV

“Mesas de Natal” na Escola Emídio Navarro

Apresentação de vencedor

AAula Magna do Instituto Politécnico de Viseu recebe, a partir das 9h15, três sessões da peça de teatro “D. Afonso Henriques 3 em 1”, da companhia de teatro Output, de Lisboa, no âmbito da festa de Natal que a Junta de Viseu está a proporcionar aos alunos da freguesia.

A Escola Secundária Emídio Navarro realiza, a partir das 9h00, o concurso "Mesas de Natal", em que cada turma terá de enfeitar a sua mesa para no fim ser avaliada por um júri.

“Christmas at the club” no NB Club Fim de Aulas no Ice Club

Alexandre Aibeo no Imaculada Conceição No âmbito do II Ciclo de Conferências CIC, Alexandre Aibeo vai estar, pelas 15h00, no Colégio da Imaculada Conceição, para uma conferência que tem como tema "O Sol Inquieto".

Filme-concerto no Teatro Viriato No âmbito do 60.º aniversário do Cine Clube de Viseu é exibido, hoje e amanhã, às 21h30, no Teatro Viriato, o filme “O Navegante”, de Buster Keaton e Donald Crisp, musicado ao vivo por Filipe Raposo e Bruno Pinto.

A Junta de Freguesia de Viseu vai apresentar quinta-feira o projecto vencedor da segunda edição do seu Orçamento Participativo.

“Fim de Aulas Universitário” é o lema da festa que se realiza no Ice Club Viseu. Na cabine os dj residentes Peter Sky e Verylight.

PRÓXIMOS DIAS Show-cooking no Forum O Forum Viseu recebe, quinta-feira, às 18h00, o chef Diogo Pereira, para mais uma sessão de show-cooking no espaço Teka, no Piso 0. Às 20h00, segue-se o chef Diogo Rocha. Na sexta-feira, pelas 18h30, será a vez do chef Paulo Cardoso. Sábado, os chefs Luís Almeida e João Estáquio, estarão no espaço Teka, às 11h30 e 16h00, respectivamente. Domingo, às 16h00, realiza-se o pick-nick com os cinco chefs que parti-

Na quinta-feira, o NB Club recebe as pessoas em modo natalício com muitas surpresas

“A Festa” no Teatro Viriato O Teatro Viriato recebe, sextafeira e sábado, às 21h30, a peça “A Festa (da Insignificância)”, que visa assinalar o 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro. O coreógrafo tem a pretensão de “dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades”.

Ceia de Natal d’Os Ribeirinhos A Direção do Grupo Desportivo "Os Ribeirinhos" vai levar a efeito a tradicional “Ceia de

Natal Riberinha”, na sextafeira, pelas 20h00, no restaurante Apito do Árbitro, para sócios, atletas e amigos.

Eleições nas Obras Sociais da Câmara As Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu irão realizar a eleição dos seus órgãos sociais na sexta-feira, entre as 18h30 e as 20h00, no Salão Multiusos da instituição.

Apresentação de livros na Fnac No sábado, às 16h00, Inês Mocho vai estar na Fnac para apresentar o livro “Maquilhagem Real para Mulheres Reais”. Às 18h30, a Fnac recebe a apresentação do livro “Uma década pela Igualdade e Contra a Violência do Género”, da deputada Elza Pais, numa sessão promovida pela Edições Esgotadas.

Natal no Mercado Municipal O Mercado Municipal recebe no sábado, entre as 10h00 e as 12h00, a Confeitaria Amaral, que dará dicas sobre a confecção de bolo rei. A iniciativa faz parte da campanha para aquele espaço levada a cabo pela Câmara de Viseu.

Página 23

A24

ID: 62287704

15-12-2015

Tiragem: 2754

Pág: 12

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 16,53 x 21,67 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Camané e Rodrigo Leão no primeiro trimestre no Teatro Virgínia Torres Novas Espectáculos vão decorrer no Teatro Virgínia no primeiro trimestre do próximo ano Espectáculos com Camané e Rodrigo Leão estão entre os destaques da programação do Teatro Virgínia, em Torres Novas, para o primeiro trimestre de 2016, anunciou o município torrejano. Camané vai apresentar o seu mais recente álbum, ‘Infinito Presente’, no Teatro Virgínia, a 23 de Janeiro, estando o espetáculo ‘O Retiro’, de Rodrigo Leão, agendado para 6 de Fevereiro, destacando o director artístico do Virgínia, Rui Sena, o facto de a abertura da temporada estar a cargo de uma associação local, a Sociedade Velha Filarmónica Riachense, que atua a 9 de Janeiro. “Traduz a nossa vontade de dar espaço às estruturas da região, consubstanciada em vários momentos tanto neste trimestre, como ao longo do ano”, afirma Rui Sena no editorial do programa. O director do Teatro Virgínia realça, ainda, a continuação da colaboração com a Associação Cultural Materiais Diversos, que permitirá a apresentação, a 16 de Janeiro, do espectáculo ‘Dança para Músicos’, de Vera Mantero, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense. Paulo Ribeiro, que em 2016

DR

Camené (na foto) vai fazer dupla com Rodrigo Leão no Teatro Virgínia

celebra os 20 anos da sua companhia de dança, apresenta, a 5 de Março, “A Festa (da Insignificância)”, enquanto o Dia Mundial do Teatro será assinalado com “Hamlet Talvez – a partir do texto de William Shakespeare”, pela companhia de João Garcia Miguel, a 19 de março. No teatro, Rui Sena salienta ainda ‘Misterman’, um monólogo a partir da obra do premiado dramaturgo Enda Walsh, por Elmano Sancho, a 20 de Fevereiro, ‘Universos Paralelos’, pela

companhia Mala Voadora, é o outro espectáculo inserido na parceria com a Materiais Diversos, uma provocação “em relação à crença na estabilidade da ciência” lançada aos adolescentes no próximo dia 11 de Março, com espectáculo para o público em geral no dia seguinte. A programação para os mais novos inclui ainda a peça de teatro ‘Amarelo’, de Catarina Requeijo, para um público dos 3 aos 6 anos, nos dias 12 e 13 de Fevereiro, e “E Se Tudo Fosse Amarelo”, de Sílvia Real

(dos 6 aos 10 anos), a 26 e 27 de Fevereiro, com “uma incursão no mundo da magia”, a 30 de janeiro, com Mário Daniel e o espetáculo de ilusionismo “Fora do Baralho”. O Dia de São Valentim (14 de Fevereiro) será assinalado com um projecto teatral e expositivo sobre relações acabadas, ‘Broken Parts – de cortar à faca’, de Vera Alvelos, que, além do espectáculo agendado para 13 de Fevereiro, desenvolve ateliês na semana seguinte, de 16 a 19, destinados a alunos do 3.º ciclo e secundário. ‘Broken Parts' é um projecto teatral e expositivo sobre relações acabadas, inspirado no Museu das Relações Acabadas de Zagreb e no livro ‘A inocência dos objetos’, de Orhan Pamuck”, realça a programação. O serviço educativo do Teatro Virgínia irá desenvolver um conjunto de actividades dinamizadas por criadores como Catarina Requeijo, Sílvia Real, Vera Alvelos e Marta Tomé, prosseguindo os ensaios do Grupo Juvenil do Virgínia e do Atelier Teatral dos Miúdos, bem como o desafio aos maiores de 50 anos, com ou sem experiência, para integrarem o projeto Teatro Maior de Idade a partir de Janeiro.|

Página 24

A25

Teatro europeu regressa ao São João em 2016

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

15-12-2015

Meio:

CNC - Centro Nacional de Cultura Online - E-Cultura Online

URL:http://e-cultura.sapo.pt/artigo/20589

Guerra, coprodução russo-britânica, chega ao Porto a 5 de Fevereiro. Haverá mais seis estreias entre os 14 espetáculos no calendário deste teatro nacional para o primeiro trimestre de 2016 O regresso de uma grande produção internacional, Guerra , uma parceria dos festivais internacionais de teatro Tchékhov, em Moscovo, e de Edimburgo, na Escócia, com encenação do russo Vladimir Pankov (SounDrama Studio), será um ponto alto na programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) para o primeiro trimestre do próximo ano, divulgada esta terça-feira no Porto. Nuno Carinhas, diretor artístico do TNSJ, chamou-lhe mesmo a "pièce de résistance" do calendário de Janeiro a Março, revelando que esta é uma criação que este teatro nacional tentou trazer a Portugal desde a sua estreia no Festival de Edimburgo em Agosto de 2014. Produzida a pretexto do centenário do início da 1ª. Guerra Mundial (1914-18), Guerra já foi descrito como "um cruel ballet operático" a recriar os dias anteriores à eclosão do conflito que haveria de mudar o mundo, logo no início do século XX. "Uma intempestiva incursão nas imagens e nos sons da guerra, interrogando o poder da arte face à devastação", acrescentou Carinhas na apresentação deste espetáculo que ficará em cena no palco do TNSJ - em língua inglesa e russa, com legendas em português - apenas dois dias: 5 e 6 de Fevereiro. A dialogar com esta produção sobre o tema da guerra, Nuno Carinhas - que disse estar disponível para se manter como diretor artístico do TNSJ até final do seu mandato, que entende ir até Outubro de 2017, mas sem pretender eternizar-se no lugar - antecipou a criação para Outubro próximo, numa parceria de encenação com Nuno M. Cardoso, da peça de Karl Kraus, Os Últimos Dias da Humanidade. Numa programação apresentada num novo contexto político, a presidente da administração do TNSJ, Francisca Carneiro Fernandes, manifestou a expectativa que a instituição possa "voltar a respirar com um bocadinho mais de alívio", referindo-se à "luta pela sobrevivência" vivida pela instituição nos últimos anos, e ao desejo de fazer regressar a produção própria, que no ciclo de 2008-15 viu o seu orçamento "reduzido em 86%" da verba disponível. Quatro estreias absolutas Apesar deste contexto, o TNSJ vai fazer sete estreias (quatro absolutas, duas nacionais) entre os 14 espetáculos que estarão no calendário dos seus três palcos (o próprio São João, o Teatro Carlos Alberto - TeCA, e o Mosteiro de São Bento da Vitória - MSBV) até 27 de Março, que é simultaneamente Dia Mundial do Teatro e domingo de Páscoa. Uma das estreias absolutas será Dos Mundos Interiores (MSBV, 15 de Janeiro), com texto e encenação de Luís Mestre (Teatro Nova Europa), que, no salão nobre do TNSJ, apresentou esta sua criação como "um diálogo interior e íntimo de uma mulher só", mas também "uma metáfora" sobre o próprio ato da escrita. Duas outras criações novas com estreia no Porto são (Des)Individuação, texto, encenação e interpretação de José Eduardo Silva, coprodução com o Teatro do Frio (TeCA, 10 de Março), e Beijo, encenação de Jorge Pinto numa parceria com o Ensemble Sociedade de Atores (MSBV, 23 de Março), com Emília Silvestre a Paulo Freixinho em palco. Sobre o primeiro espetáculo, José Eduardo Silva explicou que "está tudo ainda por fazer", mas que quer apostar numa criação coletiva com músicos, abordando o conceito de "desindividuação" elaborado pelos filósofos Gilbert Simondon e Bernard Stiegler sobre o lugar do indivíduo (e da arte) no mundo globalizado. Emília Silvestre disse que Beijo é também ainda uma peça "em construção", que parte da peça de Michel Deutsch, Les Baisers, para criar "um espetáculo muito físico e orgânico" sobre a poesia portuguesa, de Pessoa a Eugénio de Andrade, de David Mourão-Ferreira a Ana Luísa Amaral. O quarto espetáculo com estreia nacional no Porto será Habeas Corpus - Que tenhas o teu corpo, uma peça "cénico-teatral dramática", também ainda em construção, de Ruben Marks (TeCA, 26 de Fevereiro).

Página 25

Nuno Carinhas apresentou esta criação como fazendo parte de "um triciclo da dança", que inclui também Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a, de Victor Hugo Pontes (estreia nacional no Centro Cultural Vila Flor, em Guimarães, a 4 de Fevereiro, chegando ao TNSJ no dia 11); e A Festa (da insignificância), que Paulo Ribeiro estreou em Novembro em Lisboa, a assinalar os 20 anos de atividade da sua companhia (e que chega esta sexta-feira ao Teatro Viriato, em Viseu, e depois ao TNSJ, a 18 de Fevereiro). Sobre a sua peça, também ainda "em construção", Victor Hugo Pontes disse que ela vai misturar duas gerações de atores e bailarinos numa criação sobre o amor e a comunicação, partindo de A Gaivota, de Tchékhov. Regressando às estreias, a primeira a subir ao TeCA (21 de Janeiro) será Quarteto, uma nova encenação em Portugal do clássico de Heiner Müller, desta vez assinada por Carlos Pimenta, numa coprodução com o CCB. "Será uma peça muito aberta, tanto para o encenador como para os atores e demais colaboradores", disse o encenador, acrescentando estar a trabalhar sobre o tema da manipulação, do desejo, do erotismo, mas também da morte, a partir de Ligações Perigosas, de Choderlos de Laclos. A completar o leque das estreias, Nuno M. Cardoso encena Águas Profundas + Terminal de Aeroporto (TNSJ, 24 de Março), um projecto "dois em um" sobre o amor e a perda na vida urbana moderna, em que vem trabalhando desde há dois anos, a partir de duas peças do dramaturgo britânico Simon Stephens, que serão estreadas em palcos portugueses. "Vai ser um espetáculo fabuloso", prometeu o encenador sobre esta coprodução com a Cão Danado (Braga) e A Oficina (Guimarães), que depois do Porto correrá estas cidades e outras do país. O calendário de espetáculos do primeiro trimestre de 2016 completa-se com a produção d'Os Artistas Unidos, Doce Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, encenação de Jorge Silva Melo (TNSJ, 14 de Janeiro); duas produções do Teatro da Garagem com encenação de Carlos J. Pessoa: Finge (MSBV, 4 de Fevereiro) e Graça: Suite teatral em três movimentos (TeCA, 12 de Fevereiro), esta criada sobre a pintura de Graça Morais. Serão também apresentadas no Porto o "policial" As Raposas, de Lillian Hellman, encenação de João Lourenço para o Novo Grupo/Teatro Aberto (TNSJ, 3 de Março), e a produção do Teatro da Comuna, Misterman, de Enda Walsh, encenação e interpretação de Elmano Sancho (MSBV, 4 de Março). Na programação paralela aos espetáculos, o destaque vai para o programa Shakespeare 400 nos projetos educativos, em que, a pretexto do 4º centenário da morte do dramaturgo inglês (1564-1616), que ocorre no próximo ano, a poeta e ensaísta Ana Luísa Amaral dirigirá, entre 16 de Janeiro e 4 de Junho, a leitura de seis peças, de O Mercador de Veneza a Romeu e Julieta. "Vivemos um ciclo político novo e inédito, vamos acreditar que seja mais atreito aos vírus artísticos", disse Nuno Carinhas a encerrar a apresentação do programa. por Sérgio C. Andrade, in Público | 15 de dezembro de 2015 Notícia no âmbito da parceria Centro Nacional de Cultura | Público

Página 26

A27

Sete estreias no início de 2016 no Teatro Nacional São João

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Sábado Online

Data Publicação:

16-12-2015

URL: http://www.sabado.pt/cultura_gps/teatro___danca/detalhe/sete_estreias_no_inicio_de_2016_no_teatro_nacion al_sao_joao.html

16:49 . Rodrigo Affreixo O TNSJ revelou hoje a sua programação para o próximo trimestre. Destaca-se a apresentação única em Portugal do espectáculo russo Guerra O Teatro Nacional de São João revelou hoje a sua programação para o primeiro trimestre de 2016. Entre sete estreias, destaca-se a apresentação única em Portugal do espectáculo russo Guerra . Em conferência de imprensa, a presidente do Conselho de Administração do Teatro Nacional São João (TNSJ), Francisca Carneiro Fernandes, começou com uma homenagem ao vereador da Cultura da Câmara Municipal do Porto, falecido a 12 de Novembro: " Passado o choque pela forma como a cidade perdeu Paulo Cunha e Silva, quero reafirmar a firme intenção de tudo fazer para que a cidade que o Paulo sonhou e que tem vindo a ganhar forma continue a afirmar-se, e que, como o Presidente da Câmara da cidade nos tem dito, nada do que foi construído se perca." De seguida, apresentou alguns números significativos do crescimento da instituição mesmo em tempo de crise, comparando os elementos de 2008 com os de 2015. Os espectáculos aumentaram 29%, o número de récitas 69%, o número de bilhetes vendidos 9% (contra uma redução de 17% em bilhetes de oferta/apoio), o número de espectadores 47% e a taxa de ocupação da sala 3%. Nuno Carinhas, director artístico do TNSJ, passou a apresentar a programação para o primeiro trimestre. Desde logo, o principal destaque vai para a estreia nacional (e apresentação única em Portugal) do espectáculo Guerra , uma co-produção do Festival Internacional de Teatro Tchekhov e do Festival Internacional de Edimburgo. Baseada em obras de Richard Aldington, Nikolai Gumilev e Homero, esta encenação do russo Vladimir Pankov é um fresco sobre a primeira Guerra Mundial (1914-18) e sobe ao palco do TNSJ nos dias 5 e 6 de Fevereiro. Ainda em estreia absoluta, apresentam-se outros espectáculos. Vagamente inspirado na leitura de Anna Karenina , de Tolstói, Luís Mestre escreve e encena Dos Mundos Interiores , o diálogo interior de uma mulher, interpretada por Ana Vargas e Tânia Dinis. Esta co-produção do Teatro Nova Europa e do TNSJ estará em cena no Mosteiro São Bento da Vitória (MSBV), entre 15 e 24 de Janeiro. Lígia Roque e Albano Jerónimo serão os actores de Quarteto , de Heiner Müller, numa encenação de Carlos Pimenta que será apresentada no Teatro Carlos Alberto (TeCA), de 21 de Janeiro a 7 de Fevereiro. "Num mundo onde a aceitação global das desigualdades económicas organiza subrepticiamente hierarquias de poder cada vez mais rígidas e impositivas, o que podemos hoje dizer do exercício da liberdade?", questiona-se José Eduardo Silva, responsável pela dramaturgia, encenação e interpretação de (Des)Individuação , uma co-produção Teatro do Frio/TNSJ que pode ser vista no TeCA, de 10 a 20 de Março.

Página 27

Outra estreia absoluta é O Beijo , com encenação de Jorge Pinto e interpretações de Emília Silvestre e Paulo Freixinho, a partir dos quatro episódios de Les Baisers , de Michel Deutsch, a que se acrescentam as palavras de vários poetas portugueses: Álvaro de Campos, Sophia de Mello Breyner Andresen, Ruy Belo, Ana Luísa Amaral, Pedro Homem de Mello, David Mourão-Ferreira ou Eugénio de Andrade. Este objecto cénico-poético, produzido pelo Ensemble, poderá ser visto no MSBV, de 23 a 27 de Março. O díptico do britânico Simon Stephens Águas Profundas + Terminal de Aeroporto (duas peças sobre amor e perda, situadas nas imediações de um aeroporto) será encenado por Nuno M Cardoso e subirá ao palco do TNSJ de 24 a 27 de Março. Fevereiro é o mês dedicado à dança, com as novas criações de Victor Hugo Pontes ( Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a , no TNSJ de 11 a 13), Paulo Ribeiro ( A Festa (da insignificância) , no TNSJ, de 18 a 20) e Ruben Marks ( Habeas Corpus - Que tenhas o teu corpo , outra estreia absoluta, no TeCa, de 26 a 28).

Página 28

A29

ID: 62304143

16-12-2015

Tiragem: 33074

Pág: 28

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 25,70 x 30,71 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 2

Teatro europeu regressa ao São João com produção russo-britânica Guerra, estreada no Festival de Edimburgo, chega ao Porto a 5 de Fevereiro. Há mais seis estreias no calendário do primeiro trimestre de 2016 Programação Sérgio C. Andrade O regresso de uma grande produção internacional, Guerra, uma parceria dos festivais internacionais de teatro Tchékhov, em Moscovo, e de Edimburgo, na Escócia, com encenação do russo Vladimir Pankov, será um ponto alto na programação do Teatro Nacional São João (TNSJ) para o primeiro trimestre do próximo ano, divulgada ontem no Porto. Nuno Carinhas, director artístico do TNSJ, chamou-lhe mesmo a “pièce de résistance” do calendário de Janeiro a Março, revelando que se trata de uma criação que tentou trazer a Portugal desde a sua estreia no Festival de Edimburgo em Agosto de 2014. Produzida para o centenário do início da Primeira Guerra Mundial (1914-18), Guerra já foi descrito como “um cruel ballet operático” a recriar os dias anteriores à eclosão do conflito que haveria de mudar o mundo. “Uma intempestiva incursão nas imagens e nos sons da guerra, interrogando o poder da arte face à devastação”, acrescentou Carinhas na apresentação deste espectáculo que ficará em cena no TNSJ apenas dois dias: 5 e 6 de Fevereiro. A dialogar com esta produção sobre o tema da guerra, Nuno Carinhas — que disse estar disponível para se manter como director artístico do TNSJ até final do seu mandato, que entende ir até Outubro de 2017, mas sem pretender eternizar-se no lugar — antecipou a criação para Outubro próximo, numa parceria de encenação com Nuno M. Cardoso, da peça de Karl Kraus, Os Últimos Dias da Humanidade. Numa programação apresentada num novo contexto político, a presidente da administração do TNSJ, Francisca Carneiro Fernandes, manifestou a expectativa de que a instituição possa “voltar a respirar com um bocadinho mais de alívio”, referindo-se à “luta pela sobrevivência” vivida nos últimos anos, e ao desejo de fazer regressar a produção própria, que no ciclo de 2008-15 viu o seu orçamento “reduzido em 86%”.

Apesar deste contexto, o TNSJ vai fazer sete estreias (quatro absolutas, duas nacionais) entre os 14 espectáculos no calendário dos seus três palcos (o próprio São João, o Teatro Carlos Alberto — TeCA, e o Mosteiro de São Bento da Vitória — MSBV) até 27 de Março, simultaneamente Dia Mundial do Teatro e domingo de Páscoa. Uma das estreias absolutas será Dos Mundos Interiores (MSBV, 15 de Janeiro), com texto e encenação de Luís Mestre (Teatro Nova Europa), que, no salão nobre do TNSJ, apresentou esta criação como “um diálogo interior de uma mulher só”, mas também “uma metáfora” sobre o próprio acto da escrita. Duas outras criações novas com estreia no Porto são (Des)Individuação, texto, encenação e interpretação de José Eduardo Silva, co-produção com o Teatro do Frio (TeCA, 10 de Março), e Beijo, encenação de Jorge Pinto numa parceria com o Ensemble — Sociedade de Actores (MSBV, 23 de Março), com Emília Silvestre a Paulo Freixinho em palco. Sobre o primeiro, José Eduardo Silva explicou que “está tudo ainda por fazer”, mas que será uma criação colectiva com músicos, abordando o conceito de “desindividuação” elaborado pelos filósofos Gilbert Simondon e Bernard Stiegler sobre o lugar do indivíduo (e da arte) no mundo globalizado. Emília Silvestre disse que Beijo é também ainda uma peça “em construção”, que parte da peça de Michel Deutsch, Les Baisers, para criar “um espectáculo muito físico e orgânico” sobre a poesia portuguesa, de Pessoa a Eugénio, de David Mourão-Ferreira a Ana Luísa Amaral. O quarto espectáculo com estreia nacional no Porto será Habeas Corpus — Que Tenhas o Teu Corpo, uma peça “cénico-teatral dramática” de Ruben Marks (TeCA, 26 de Fevereiro). Nuno Carinhas apresentou esta criação como fazendo parte de “um triciclo da dança”, que inclui também Se Alguma Vez Precisares da Minha Vida, Vem e Toma-a, de Victor Hugo Pontes (estreia nacional no Centro Vila Flor, em Guimarães, 4 de Fevereiro, chegando ao TNSJ dia

Guerra foi produzido a pretexto do centenário do início da Primeira Guerra Mundial LUÍS MESTRE

Dos Mundos Interiores, encenação de Luís Mestre 11); e A Festa (da insignificância), que Paulo Ribeiro estreou em Novembro em Lisboa (TNSJ, 18 de Fevereiro). Sobre a sua peça, também ainda “em construção”, Victor Hugo Pontes disse que vai misturar duas gerações de actores e bailarinos nu-

ma criação sobre o amor e a comunicação, partindo de A Gaivota, de Tchékhov. Regressando às estreias, a primeira a subir ao TeCA (21 de Janeiro) será Quarteto, nova encenação em Portugal do clássico de Heiner Müller,

assinada por Carlos Pimenta. “Será uma peça muito aberta, tanto para o encenador como para os actores e demais colaboradores”, disse o encenador, acrescentando estar a trabalhar sobre o tema da manipulação, do desejo, do erotismo, mas também da morte, a partir de Ligações Perigosas, de Choderlos de Laclos. A completar o leque das estreias, Nuno M. Cardoso encena Águas Profundas + Terminal de Aeroporto (TNSJ, 24 de Março), um projecto “dois em um” sobre o amor e a perda na vida urbana moderna, em que vem trabalhando desde há dois anos, a partir de duas peças do dramaturgo britânico Simon Stephens, que serão estreadas em palcos portugueses. “Vai ser um espectáculo fabuloso”, prometeu o encenador sobre esta coprodução com a Cão Danado (Braga) e A Oficina (Guimarães), que depois do Porto correrá o país. O calendário do primeiro trimestre de 2016 completa-se com a produção d’Os Artistas Unidos, Doce

Página 29

ID: 62304143

16-12-2015

Tiragem: 33074

Pág: 29

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 5,92 x 26,63 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 2 de 2

VLADIMIR VYATKIN

Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, encenação de Jorge Silva Melo (TNSJ, 14 de Janeiro); duas produções do Teatro da Garagem com encenação de Carlos J. Pessoa: Finge (MSBV, 4 de Fevereiro) e Graça: Suite teatral em três movimentos (TeCA, 12 de Fevereiro), esta sobre a pintura de Graça Morais. Serão também apresentadas o “policial” As Raposas, de Lillian Hellman, encenação de João Lourenço para o Novo Grupo/Teatro Aberto (TNSJ, 3 de Março), e a produção do Teatro da Comuna, Misterman, de Enda Walsh, encenação e interpretação de Elmano Sancho (MSBV, 4 de Março). Na programação paralela aos espectáculos, o destaque vai o programa Shakespeare 400 nos projectos educativos, em que, a pretexto do 4.º centenário da morte do dramaturgo inglês, a poeta e ensaísta Ana Luísa Amaral dirigirá, entre Janeiro e Junho, a leitura de seis peças, de O Mercador de Veneza a Romeu e Julieta.

Página 30

A31

TNSJ: Novo ano, sete estreias

Tipo Meio:

Internet

Meio:

JPN Online

Data Publicação:

16-12-2015

URL:http://jpn.up.pt/2015/12/16/tnsj-novo-ano-sete-estreias-2016/

O primeiro trimestre de 2016, de janeiro a março, traz ao Teatro Nacional de São João 14 espetáculos e sete estreias. Guerra, de Vladimir Pankov é um deles e estará em exibição nos dias 5 e 6 de fevereiro Vladimir Vyatkin Por Sara Gerivaz Publicado: 16.12.2015 | 13:25 (GMT) Com o final do ano à vista, o Teatro Nacional de São João (TNSJ) desvenda já parte da programação para 2016. Esta casa de espetáculo do Porto vai trazer, entre janeiro e março, sete estreias, algumas das quais absolutas. O destaque vai para a apresentação nacional de Guerra, de Vladimir Pankov. Estreias absolutas e nacionais, ligação a casas de espetáculo mundialmente conhecidas e uma semana completamente dedicada ao teatro. Na passada terça-feira, dia 15 de dezembro, o Teatro Nacional de São João (TNSJ) levantou já a cortina para o que se espera no próximo ano. 2016 abre portas à cidade e aos portuenses com Doce Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, a 14 de janeiro, que traz de volta os Artistas Unidos à casa de espetáculo. Janeiro inicia não só o teatro, como a aprendizagem. O primeiro mês do ano começa também com a comemoração dos 400 anos de Shakespeare, com um seminário liderado pela poetisa Ana Luísa Amaral, sobre a obra do poeta e dramaturgo. Um sábado por mês até junho é o tempo que irá ser dedicado à leitura do trabalho do autor de Romeu e Julieta. Dos 14 espetáculos levados a cena nos primeiros três meses do ano, assinalam-se sete estreias, algumas das quais absolutas. Dos Mundos Interiores, de Luís Mestre é a primeira, que vai levar ao Mosteiro de São Bento da Vitória (MSBV) entre os dias 15 a 24 de janeiro a solidão no feminino. Quarteto é outro dos espetáculos que dá as boas vindas ao novo ano, que traz ao palco do Teatro Carlos Alberto (TeCA) dois rostos familiares, Albano Jerónimo e Lígia Roque, num perigoso jogo de sedução a partir do dia 21 de janeiro. Um casa de espetáculo não é uma casa de espetáculo se não assinalar o Dia Mundial do Teatro. Em 2016 o TNSJ vai, uma vez mais, levar a comemoração desta efeméride mais longe e em vez de festejar apenas o dia 27 de março, dedica uma semana total a esta arte. O primeiro dia de celebração é o dia 23 de março, com Beijo em cena no Mosteiro. O espetáculo é produção do Ensemble - Sociedade de Actores e vai percorrer o mundo de várias figuras importantes da literatura portuguesa, de Álvaro de Campos a Eugénio de Andrade. Um dia após esta estreia, eis que se segue outra, desta vez dupla. Águas Profundas e Terminal de Aeroporto, de Simon Stephens são estreia nacional no TNSJ a 24 de março e conta com a encenação de Nuno M Cardoso e tradução de Jorge Palinhos. As peças tratam de "amor e perda de diferentes formas, bem como a experiência da vida moderna numa cidade onde se chega, se espera ou se parte". Guerra. Este é, provavelmente, dos nomes mais sonantes do primeiro trimestre de 2016 no São João. Nos primeiros dias de fevereiro, 5 e 6, o espetáculo encenado pelo russo Vladimir Pankov estará em cena, para voltar ao Natal parisiense de um grupo de jovens artistas, em 1913. Este trabalho foi estreia em 2014, ano do centenário da Primeira Guerra Mundial, no Festival Internacional de Edimburgo. Guerra chega ao Porto por intermédio do festival escocês e do Festival Internacional de Teatro Tchekhov, na Rússia, aproximando assim as ligações do São João com estas casas de espetáculo. Fevereiro será ainda marcado pela estreia absoluta de Habeas Corpus - Que tenhas o teu corpo, de Ruben Marks, no TeCA entre os dias 26 e 28 de fevereiro para desvendar o fascínio do corpo. Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a, de Victor Hugo Pontes estará em cena entre os dis 11 e 13 do mesmo mês, no TNSJ, bem como A Festa (da Insignificância) de Paulo Ribeiro, de 18 a 20, dando a conhecer ao público novos projetos. Para março há Misterman, de Enda Walsh, entre os dias 4 a 6 no Mosteiro. Depois da estreia em 2014 no Teatro da Comuna, Elmano Sancho, o vencedor do prémio de melhor

Página 31

ator de teatro de 2014, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores ruma ao Porto para contar a história de solidão de Thomas, "um homem/menino que vive numa aldeia fictícia, Inishfree, ou uma aldeia real que vive num menino/homem de 33 anos". O último mês do primeiro trimestre de 2016 destaca ainda a estreia absoluta de (Des)Individuação, de José Eduardo Silva no Carlos Alberto. O mote da peça é a "liberdade (ou a ausência dela)" e estará em cena de 10 a 20 de março. Por Publicado: 16.12.2015 | 13:25 (GMT)

Página 32

A33

ID: 62306121

16-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 5

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 17,96 x 20,65 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

tome nota HOJE Filme-concerto no Teatro Viriato No âmbito do 60.º aniversário do Cine Clube de Viseu é exibido, às 21h30, no Teatro Viriato, o filme “O Navegante”, de Buster Keaton e Donald Crisp, musicado ao vivo por Filipe Raposo e Bruno Pinto.

Entrega de apoios

9h00, o concurso "Mesas de Natal", em que cada turma terá de enfeitar a sua mesa para no fim ser avaliada por um júri.

projecto vencedor da segunda edição do seu Orçamento Participativo.

“Christmas at the club” no NB Club Fim de Aulas no Ice Club “Fim de Aulas Universitário” é o lema da festa que se realiza no Ice Club Viseu. Na cabine os dj residentes Peter Sky e Verylight.

O NB Club recebe as pessoas em modo natalício com muitas surpresas. Na cabine estarão os dj residentes André Flor e Victor Pirez.

PRÓXIMOS DIAS Pelas 12h00, o Auditório Mirita Casimiro recebe a cerimónia de assinatura e entrega das primeiras comparticipações dos contratos de beneficiação de habitações familiares, no âmbito dos programas municipais “Viseu Habita” e “Viseu Solidário”.

Cartas entregues ao Pai Natal O Pai Natal desloca-se, pelas 9h30, à Loja CTT São José, em Viseu, na Urbanização de S. José, para ajudar as crianças a escreverem-lhe cartas. As cartas serão depois entregues em mão pelas crianças ao próprio Pai Natal.

AMANHÃ Show-cooking no Forum O Forum Viseu recebe, às 18h00, o chef Diogo Pereira, para mais uma sessão de show-cooking no espaço Teka, no Piso 0. Às 20h00, segue-se o chef Diogo Rocha. Na sexta-feira, pelas 18h30, será a vez do chef Paulo Cardoso. Sábado, os chefs Luís Almeida e João Estáquio, estarão no espaço Teka, às 11h30 e 16h00, respectivamente. Domingo, às 16h00, realiza-se o pick-nick com os cinco chefs que participam na iniciativa.

“Mesas de Natal” na Emídio Navarro

Apresentação de vencedor

A Escola Secundária Emídio Navarro realiza, a partir das

A Junta de Freguesia de Viseu vai apresentar quinta-feira o

“A Festa” no Teatro Viriato O Teatro Viriato recebe, sextafeira e sábado, às 21h30, a peça “A Festa (da Insignificância)”, que visa assinalar o 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro. O coreógrafo tem a pretensão de “dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades”.

Ceia de Natal d’Os Ribeirinhos A Direção do Grupo Desportivo "Os Ribeirinhos" vai levar a efeito a tradicional “Ceia de Natal Riberinha”, na sextafeira, pelas 20h00, no restaurante Apito do Árbitro, para sócios, atletas e amigos.

Eleições nas Obras Sociais da Câmara As Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu irão realizar a eleição dos seus órgãos sociais na sexta-feira, entre as 18h30 e as 20h00, no Salão Multiusos da instituição.

Apresentação de livros na Fnac No sábado, às 16h00, Inês Mocho vai estar na Fnac para apresentar o livro “Maquilhagem Real para Mulheres Reais”. Às 18h30, a Fnac recebe a apresentação do livro “Uma década pela Igualdade e Contra a Violência do Género”, da deputada Elza Pais, numa sessão promovida pela Edições Esgotadas.

Natal no Mercado Municipal O Mercado Municipal recebe no sábado, entre as 10h00 e as 12h00, a Confeitaria Amaral, que dará dicas sobre a confecção de bolo rei.

Académico recebe Mafra no Fontelo O Académico recebe domingo, pelas 15h00, no Fontelo, o Mafra, em jogo da 21.ª jornada da II Liga.

Página 33

A34

Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa"

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

Meio:

Sapo Online - Sapo Notícias da Agência Lusa Online

17-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=c52c73c3

17 de Dezembro de 2015, às 12:00 A Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, vai fazer subir ao placo do Teatro Viriato, em Viseu, "uma festa muito rica e intensa", que promete sair do palco para a plateia, "envolvendo o público numa onda de celebração". "Vamos ter uma festa, uma celebração, uma coreografia muito rica e intensa, que passa de momentos lúdicos e provocatórios para outros mais densos, mais profundamente humanos, sensuais, individuais. Tudo isto vai acontecendo porque, a pouco e pouco, a peça vai saindo do palco para a plateia, com o público a ser envolvido nesta onda de celebração", descreveu Paulo Ribeiro, coreógrafo e bailarino que dá nome à companhia. O espetáculo de dança intitulado "A Festa (da insignificância)" sobe ao placo do Teatro Viriato na sexta-feira e no sábado, depois de ter estreado há cerca de um mês em Lisboa, no grande auditório da Culturgest. "Na Culturgest, uma casa muito séria, foi fantástico ver a reação do público, fiquei espantadíssimo, não pensei que as pessoas fossem tão cúmplices deste projeto como foram. Em Viseu, espero o mesmo ou até mais, pois é a nossa cidade e as pessoas estão muito mais à vontade na sua casa, para além de a sala ser mais íntima e calorosa, o que aproxima", referiu. Com coreografia e direção de Paulo Ribeiro, "A Festa (da insignificância)" tem interpretação de Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes. A música é de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper, sendo interpretada ao vivo pelos músicos do Drumming Grupo de Percussão, sob a direção de Miquel Bernat. Os figurinos são de José António Tenente, o desenho de luz de Nuno Meira e a produção é da Companhia Paulo Ribeiro. A coprodução é do Théâtre De Chaillot e Scène National De Besançon, Fundação Caixa Geral de Depósitos - Culturgest, Teatro Nacional S. João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu. De acordo com Paulo Ribeiro, que é também o diretor do Teatro Viriato, "A Festa (da insignificância)" tem já "várias datas agendadas", chegando ao Théâtre De Chaillot (Paris) no final de 2016. "Daqui a um ano, de 06 a 09 de dezembro, estaremos na melhor sala de Paris em dança: o Théâtre De Chaillot. Vão ser quatro dias numa sala de 1.200 lugares", revelou. Criada em 1995, a companhia que Paulo Ribeiro fundou em nome próprio celebra 20 anos e o balanço "não podia ser melhor".

Página 34

"Se olharmos para a cidade, constatamos que a chegada da companhia a Viseu criou uma série de outras dinâmicas, que são muito interessantes: o teatro, o Lugar Presente, a escola. E penso que outras coisas virão", concluiu. CMM // SSS Lusa/fim

Página 35

A36

ID: 62344898

17-12-2015

Tiragem: 8500

Pág: 25

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 15,24 x 10,27 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Camané e Rodrigo Leão em Torres Novas Nova temporada do Teatro Virgínia vai ter música, ilusionismo, dança e teatro de Shakspeare PROGRAMAÇÃO A nova agenda do Teatro Virgínia, com a programação de janeiro a março de 2016, tem como principais destaques os concertos de Camané, com o mais recente álbum “Infinito Presente”, no dia 23 de janeiro, e de Rodrigo Leão a apresentar “O Retiro” a 6 de fevereiro. Mário Daniel, autor, apresentador e mágico do «Minutos Mágicos» da SIC vai também passar pelo Virgínia com o espetáculo de ilusionismo “Fora do Baralho”, a 30 de janeiro. Na dança a Companhia Paulo Ribeiro apresenta “A Festa (da Insignificância)”, a 5

de março, e no teatro, destaque para o espetáculo “Misterman”, de Elmano Sancho, a 20 de fevereiro, e para a peça “Hamlet Talvez”, a partir do texto de William Shakespeare, a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. No âmbito das parcerias

locais, a nova temporada vai trazer ao Virgínia a Sociedade Velha Filarmónica Riachense (9 de janeiro) e, no fim de semana seguinte, no dia 16, Vera Montero com o espetáculo “Dança para Músicos”, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense.

Página 36

A37

Sugestões para um fim de semana em cheio

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Observador Online

Data Publicação:

17-12-2015

URL:http://observador.pt/2015/12/17/sugestoes-um-fim-semana-cheio-4/

lazer O último fim de semana antes do Natal traz-nos uma feira de vinil, a improvisação dos Portátil, uma vila chamada Perlim, exposições e a chegada dos "Sinais" de Fernando Alves ao teatro. A feira Crafts & Design, em Lisboa, pode ter a prenda de Natal que procura ©Arquitexturas Nos cinemas, tudo grita "Guerra das Estrelas". Será que o novo filme da saga, "Star Wars: O Despertar da Força", vale tanta euforia? O nosso crítico Eurico de Barros já respondeu, mas cada fã de Han Solo, de Yoda, dos stormtroopers e até de Darth Vader pode começar, a partir desta quinta-feira, a tirar as suas próprias conclusões. Se prefere comédias, há uma nova, francesa, com a assinatura de Julie Delpy. Chama-se "Lolo" e mostra o amor de Violette, uma sofisticada parisiense, por Jean-René, um geek da informática. O filho de Violette, Lolo, é que não parece achar piada à relação. dEUS vai estar na "Cidade dos Arcebispos", esta sexta-feira às 21h00. Já perdemos a conta às vezes em que os belgas estiveram entre nós, mas o público é fiel e não vai faltar ao duplo regresso (no sábado atuam na Aula Magna, em Lisboa). Bilhetes entre os 18 e os 30 euros. Os dEUS vão estar em Braga e em Lisboa. ©Divulgação A partir deste sábado, a cidade do Porto ganha três percursos de orientação permanentes, no Parque do Covelo, acessíveis a todos os que queiram experimentar. Cada nível tem o seu grau de dificuldade e quem quiser vai poder experimentar o percurso na companhia de um grupo de praticantes do Grupo Desportivo 4 Caminhos, às 10h30. O acesso é livre e o ponto de encontro é junto ao bar do Parque do Covelo. Também às 10h30, inserido no programa "Ambiente em Família", há um conto sobre aves para ouvir. A participação é gratuita, sujeita a inscrição prévia. Antevê-se um fim de semana particularmente concorrido na Baixa do Porto, uma vez que este é o último fim de semana antes do Natal. Às 17h30, faça uma pausa junto à Árvore de Natal da Avenida dos Aliados. Até às 18h00, Isabel Milheiro, Rui Vilhena e Sérgio Silva vão cantar as famosas Christmas Carrols, cânticos de Natal. O acesso é livre. O Teatro Expandido!, de João Sousa Cardoso, estreia na sextafeira, às 21h30, no Auditório do Teatro Municipal Campo Alegre, do Porto, a 11.ª e última produção do ano que está prestes a acabar. "Portugal" pretende celebrar o modernista Almada Negreiros com um texto satírico sobre a derrocada do regime e o ânimo da revolução. Os bilhetes custam cinco euros. Não foi para fugir dos comentários da Internet que três elementos do Porta dos Fundos se juntaram para agora fazer rir o público numa sala de teatro. Pelo menos foi o que Gregório Duvivier, João Vicente Castro e Luís Lobianco, na companhia do colombiano Gustavo Miranda, disseram ao Observador, numa entrevista que vamos publicar nos próximos dias. Em "Portátil", assim se chama o espetáculo de improvisação que agora apresentam em várias cidades portuguesas, os quatro vão construir toda uma narrativa a partir da história de um espetador. Pode assistir ao resultado (e quem sabe ser o escolhido) no Teatro José Lúcio da Silva, em Leiria (sexta-feira, 21h30), no Teatro Aveirense (sábado, 21h30) e no Teatro Gil Vicente, em Coimbra (domingo, 21h30). Se Óbidos tem a Vila Natal, Santa Maria da Feira tem a Perlim, uma "quinta de sonhos" com toda a magia natalícia que os mais novos procuram. Até 3 de janeiro, de quinta-feira a domingo, há áreas temáticas para conhecer, espetáculos para ver, uma pista de gelo para deslizar e até um foguetão e um comboio para apanhar. Bilhetes entre os cinco e os seis euros (crianças até dois anos têm entrada livre). A Companhia Paulo Ribeiro celebra 20 anos. Pode comemorar com eles comprando bilhete para A Festa da Insignificância, que se mostra no Teatro Viriato, em Viseu, esta sexta-feira e sábado. O coreógrafo mostra movimentos corporais que remetem para a festa e o prazer e, quem sabe, contagiando o público com a sua alegria. Bilhetes entre os cinco e os 10 euros. De segunda a sexta, às 8h50, com

Página 37

repetição às 14h20, há "Sinais" na TSF. A rádio já não passa sem a crónica de Fernando Alves, mas ela passa agora para o palco do Teatro D. Maria II, em Lisboa, entre quinta-feira e sábado às 21h30 e no domingo às 16h30. Sentado na plateia, o público vai poder escutar ao vivo a voz de Fernando Alves e a sua seleção das melhores crónicas de 2015. No piano vai estar Filipe Melo. Os bilhetes custam 12 euros, sujeitos aos descontos habituais. Noutra sala lisboeta, a proposta é radicalmente diferente, ou não tivesse como protagonista Rui Sinel de Cordes. O humorista organiza no sábado, às 23h30, um espetáculo especial de Natal. E porque a época é de partilha, convida para o palco Salvador Martinha, Os Improváveis, João Blümel e o "filho perdido de Tony Carreira", Jean Carreira. Os bilhetes custam entre 12 e 15 euros. Já conhece o novo Maxime Sur Mer? Sábado é uma boa noite para isso. O sucessor do velho Maxime, de Manuel João Vieira, junto ao Cais do Sodré, em Lisboa, vai receber a festa Pigeon Parade. Entre as 23h00 e as seis da manhã há uma instalação, uma performance e vários DJ set. Até às duas da manhã, a entrada custa três euros. A partir dessa hora, custa o dobro mas inclui uma imperial. A retrospetiva da vida e obra do fotógrafo húngaro Nicolás Muller (1913 - 2000) chega esta sexta-feira ao Centro Cultural de Cascais. Integrada na Mostra Espanha, a exposição chama-se "Nicolás Muller. Obras-Primas", tem 70 fotografias a preto e branco e passa pelas diferentes etapas da sua viagem forçada - por ser eslavo e judeu - de fuga ao nazismo. Eis uma amostra do que vai poder ver até 17 de abril de 2016, de terça-feira a domingo, das 10h00 às 18h00 (a entrada normal custa três euros): 103 obras de Paula Rego compõem a exposição "Caçadora Furtiva", inaugurada esta quinta-feira na Casa das Histórias, em Cascais. As pinturas, gravuras e desenhos foram todos feitos depois de 1990 e inspiram-se em fragmentos de peças de grandes mestres da pintura britânica. A Casa das Histórias Paula Rego está aberta de terça-feira a domingo entre as 10h00 e as 18h00. O acesso é gratuito. À procura dos últimos (ou dos primeiros) presentes de Natal? Há muita vida para além do shopping. No Jardim da Estrela, em Lisboa, por exemplo, há mercado Crafts & Design. Passe por lá no sábado e no domingo, entre as 10h00 e as 18h00, para encontrar objetos e criações de autor nas áreas do design e do artesanato contemporâneo. Para quem gosta de andar à caça de discos de vinil, a segunda edição da feira "Os Senhores do Vinil" é de passagem obrigatória. Vai ser na esplanada Park, na Calçada do Combro, em Lisboa, que várias empresas, lojas e colecionadores de vinil vão estar reunidos, entre as 14h00 e as 20h00 de sábado. Por falar em Natal, os mais novos podem ir ter com ele no sábado e no domingo, às 16h00, no Teatro Taborda, junto à Rua da Madalena, em Lisboa. É lá que está em cena o espetáculo "O Dia Em Que Resolvi Ir Ter Com o Pai Natal", uma história sobre duas crianças que crescem, confrontam-se, descobrem a amizade e constroem uma imagem do mundo na qual é preciso acreditar no velho barbudo de barba branca. A entrada é gratuita, sujeita a marcação prévia. Na noite de sexta-feira, as lojas do centro histórico de Beja alargam o seu horário para uma noite especial de compras, com direito a animação de rua e alguns descontos. São vários os ateliês, atividades de animação de rua, sessões de contos e música. O programa está todo aqui. Para ver ao vivo Peter Pan, o rapaz que se recusa a crescer, não vai ser preciso viajar até à Terra do Nunca. Inspirada na história de J.M. Barrie, a Companhia de Dança do Algarve vai dançar no Teatro das Figuras, em Faro, a história de Peter Pan, de Wendy, da Sininho e do ameaçador Capitão Gancho. Em cena no sábado às 21h30 e no domingo às 16h30. Os bilhetes custam 10 euros.

Página 38

A39

Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa"

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Notícias ao Minuto Online

Data Publicação:

17-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=1b731f21

A Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, vai fazer subir ao placo do Teatro Viriato, em Viseu, "uma festa muito rica e intensa", que promete sair do palco para a plateia, "envolvendo o público numa onda de celebração". "Vamos ter uma festa, uma celebração, uma coreografia muito rica e intensa, que passa de momentos lúdicos e provocatórios para outros mais densos, mais profundamente humanos, sensuais, individuais. Tudo isto vai acontecendo porque, a pouco e pouco, a peça vai saindo do palco para a plateia, com o público a ser envolvido nesta onda de celebração", descreveu Paulo Ribeiro, coreógrafo e bailarino que dá nome à companhia. PUB O espetáculo de dança intitulado "A Festa (da insignificância)" sobe ao placo do Teatro Viriato na sexta-feira e no sábado, depois de ter estreado há cerca de um mês em Lisboa, no grande auditório da Culturgest. "Na Culturgest, uma casa muito séria, foi fantástico ver a reação do público, fiquei espantadíssimo, não pensei que as pessoas fossem tão cúmplices deste projeto como foram. Em Viseu, espero o mesmo ou até mais, pois é a nossa cidade e as pessoas estão muito mais à vontade na sua casa, para além de a sala ser mais íntima e calorosa, o que aproxima", referiu. Com coreografia e direção de Paulo Ribeiro, "A Festa (da insignificância)" tem interpretação de Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes. A música é de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper, sendo interpretada ao vivo pelos músicos do Drumming Grupo de Percussão, sob a direção de Miquel Bernat. Os figurinos são de José António Tenente, o desenho de luz de Nuno Meira e a produção é da Companhia Paulo Ribeiro. A coprodução é do Théâtre De Chaillot e Scène National De Besançon, Fundação Caixa Geral de Depósitos - Culturgest, Teatro Nacional S. João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu. De acordo com Paulo Ribeiro, que é também o diretor do Teatro Viriato, "A Festa (da insignificância)" tem já "várias datas agendadas", chegando ao Théâtre De Chaillot (Paris) no final de 2016. "Daqui a um ano, de 06 a 09 de dezembro, estaremos na melhor sala de Paris em dança: o Théâtre De Chaillot. Vão ser quatro dias numa sala de 1.200 lugares", revelou. Criada em 1995, a companhia que Paulo Ribeiro fundou em nome próprio celebra 20 anos e o balanço "não podia ser melhor". "Se olharmos para a cidade, constatamos que a chegada da companhia a Viseu criou uma série de outras dinâmicas, que são muito interessantes: o teatro, o Lugar Presente, a escola. E penso que outras coisas virão", concluiu. Há 10 mins

Página 39

A40

ID: 62323464

17-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Diária

Área: 12,57 x 21,11 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

tome nota HOJE Apresentação de revista Pelas 17h00, realiza-se na Casa do Adro, a cerimónia de apresentação da 74.ª edição da revista Beira Alta. Esta nova edição é agora propriedade da Comunidade Intermunicipal Viseu Dão Lafões.

Apresentação de vencedor A Junta de Freguesia de Viseu vai apresentar o projecto vencedor da segunda edição do seu Orçamento Participativo.

“Christmas at the club” no NB Club O NB Club recebe as pessoas em modo natalício com muitas surpresas. Na cabine estarão os dj residentes André Flor e Victor Pirez.

Show-cooking no Forum O Forum Viseu recebe, às 18h00, o chef Diogo Pereira, para mais uma sessão de show-cooking no espaço Teka, no Piso 0. Às 20h00, segue-se o chef Diogo Rocha. Amanhã, pelas 18h30, será a vez do chef Paulo Cardoso. Sábado, os chefs Luís Almeida

e João Estáquio, estarão no espaço Teka, às 11h30 e 16h00, respectivamente. Domingo, às 16h00, realiza-se o pick-nick com os cinco chefs que participam na iniciativa.

irão realizar a eleição dos seus órgãos sociais, entre as 18h30 e as 20h00, no Salão Multiusos da instituição.

PRÓXIMOS DIAS AMANHÃ “A Festa” no Teatro Viriato O Teatro Viriato recebe, amanhã e sábado, às 21h30, a peça “A Festa (da Insignificância)”, que visa assinalar o 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro. O coreógrafo tem a pretensão de “dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades”.

Apresentação de livros na Fnac No sábado, às 16h00, Inês Mocho vai estar na Fnac para apresentar o livro “Maquilhagem Real para Mulheres Reais”, da sua autoria. Às 18h30, a Fnac recebe a apresentação do livro “Uma década pela Igualdade e Contra a Violência do Género”, da deputada Elza Pais, numa sessão promovida pela Edições Esgotadas.

Natal no Mercado Municipal Ceia de Natal d’Os Ribeirinhos A Direção do Grupo Desportivo "Os Ribeirinhos" vai levar a efeito a tradicional “Ceia de Natal Riberinha”, pelas 20h00, no restaurante Apito do Árbitro, para sócios, atletas e amigos.

Eleições nas Obras Sociais da Câmara As Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu

O Mercado Municipal de Viseu recebe no sábado, entre as 10h00 e as 12h00, os profissionais da Confeitaria Amaral, que darão dicas sobre a confecção de bolo rei.

Académico recebe Mafra no Fontelo O Académico de Viseu recebe domingo, a partir das 15h00, no Estádio Municipal do Fontelo, a equipa do Mafra, em jogo a contar para a 21.ª jornada da II Liga.

Página 40

A41

Utopia da felicidade

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

18-12-2015

Meio:

Visão Online

Autores:

Gabriela Lourenço

URL:http://visao.sapo.pt/actualidade/visaose7e/ver/2015-12-18-Utopia-da-felicidade

Em A Festa (da Insignificância), Paulo Ribeiro celebra os 20 anos da sua companhia e, acima de tudo, a possibilidade de continuar a dançar e a coreografar. Depois da estreia em Lisboa, a coreografia chega ao seu Teatro Viriato, em Viseu É uma festa, não há dúvidas sobre isso e avisam-nos logo no título. Em A Festa (da Insignificância), 10 bailarinos hão de dançar, felizes, soltos, sensuais, numa manifestação de prazer a que dará gosto assistir. Foi esta a festa que o coreógrafo Paulo Ribeiro criou para celebrar os 20 anos da sua companhia de dança. Mais do que isso, faz questão de dizer, para celebrar uma carreira, uma vida: "Quis olhar para trás e pôr cá para fora todo o positivo que têm sido estes anos. É uma festa que fala da possibilidade de ser feliz, que é cada vez mais difícil de conseguir, mas é sobretudo uma festa por poder continuar a dançar, a coreografar e a escolher intérpretes de grande qualidade." Partilha revela-se palavra chave nesta festa - quer seja entre coreógrafo e bailarinos, quer seja entre os 10 bailarinos, sempre todos em cena, quer seja mesmo com os espectadores sentados na plateia. "O processo de criação foi um dos de maior cumplicidade e harmonia. E espero que isso salpique para o público", diz Paulo Ribeiro, que chamou para trabalhar consigo Ana Jezabel Carreira, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, Filipa Peraltinha, João Cardoso, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva e Valter Fernandes, e ainda os músicos Miquel Bernat e Miguel Moreira, que tocam no palco. Uma coreografia "muito extrovertida", há de descrevê-la o coreógrafo, de braços abertos a quem a ela assiste. "Queremos receber bem em casa os espectadores e acarinhá-los. Não há provocação, é o contrário disso. Queremos pôr o público a respirar em conjunto connosco", afirma. E como se nada estivesse ensaiado quando entramos na sala, aqueles corpos dançarão ao som de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper. "Até mesmo a simples carícia é uma festa", escreve João Luís Oliva na apresentação do espetáculo. E é mesmo naquele palco e na vida. A Festa (da Insignificância) > Teatro Viriato > Lg. Mouzinho de Albuquerque, Viseu > T. 232 480 119 > 18-19 dez, sex-sáb 21h30 > EUR5 a EUR10 18.12.2015 às 11h30 Gabriela Lourenço

Página 41

A42

Sugestões para o fim-de-semana | 19 e 20 de Dezembro - Guia do Lazer

Tipo Meio:

Internet

Data Publicação:

Meio:

Público Online - Guia do Lazer Online

18-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=deff5e04

Por PÚBLICO Enquanto Lisboa recebe mercados de autor com cheiro a Natal e abre a janela de Nicolás Paris, Viseu entra n'"A Festa (da Insignificância)". SÁBADO Mercados de autor com cheiro a Natal O Jardim da Estrela, em Lisboa, abre as portas a uma edição especial do Crafts & Design. Hoje e amanhã, entre as 10h e as 18h, o espaço serve de montra a projectos de autor, com peças criativas de cerâmica, design, joalharia, ilustração, fotografia e moda. A quadra inspira outras zonas da cidade, como a Praça do Príncipe Real, que, até dia 22, acolhe um mercado com cerca de 70 criadores nacionais, animação musical, passeios de burrito e outras actividades infantis, como insufláveis, pinturas faciais ou ateliers. A entrada é livre. "A Festa (da Insignificância)" O Teatro Viriato, em Viseu, recebe "A Festa (da Insignificância)", um espectáculo que celebra os vinte anos da companhia de dança Paulo Ribeiro. Hoje, às 21h30, com bilhetes entre 5EUR e 10EUR. DOMINGO Uma janela sobre um mundo melhor Aos 38 anos, Nicolás Paris é um dos novos nomes da arte colombiana em afirmação nos circuitos internacionais. A sua primeira exposição individual em Portugal, no Museu Berardo (Lisboa), é uma janela aberta sobre um mundo melhor. Comissariada por Filipa Oliveira, "Quatro variações à volta de nada ou falar do que não tem nome" ocupa quatro salas, insistindo num número cheio de presença e simbolismo na obra deste artista. Nas suas palavras: "O coração tem quatro cavidades, o corpo divide-se em quatro partes, há quatro operações básicas de matemática, o ano tem quatro estações, há quatro pontos cardeais..." A mostra está patente todos os dias, das 10h às 19h, até 6 de Março de 2016. Grátis.

Página 42

A43

ID: 62340246

18-12-2015 | Ípsilon

Dança 2015

Tiragem: 33074

Pág: 19

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 25,70 x 31,00 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1 BRUNO SIMÃO

2

7 A Tecedura do Caos Tânia Carvalho

Crítica à obsessão do corpo atlético e semi-nu que invadiu o Ocidente, elogio do ritual como condição de coesão do colectivo: The Dog Days Are Over é as duas coisas ao mesmo tempo

The Dog Days Are Over Jan Martens Teatro Municipal Rivoli, Porto (4 de Dezembro)

E eis que o espectáculo oferecido pelo Teatro Municipal do Porto para terminar um ano de fôlego na programação de dança contemporânea ganhou a corrida em 2015. The Dog Days Are Over é uma surpreendente maratona coreográfica do saltar que tem corrido mundo e que reflecte sobre a obsessão pelo corpo atlético e semi-nu que invade as sociedades ocidentalizadas. Jan Martens quis responder com ironia às políticas culturais que, no presente, confrontam os criadores de uma prática artística especializada, porventura mais experimental e humanista, com os indicadores quantitativos e as imagens do mainstream, desafiando-os a justificarem pertinência no paradigma global da industrialização da criatividade. Inspirado pelo extremismo, pelo perfeccionismo e pela paixão dos seus antecessores na dança belga, este coreógrafo emergente produziu uma obra muito singular, provocadora e consistente. No hipnotizante minimalismo redutor, auditivo e visual de 7.200 saltos quase sempre em uníssono reside a expressão perspicaz da competição acrítica a que as pessoas se sujeitam para obter visibilidade e sucesso; mas esta dança despida e sem artifícios é paradoxalmente bonita e profunda: ela elogia a essência do ritual na coesão do colectivo e valoriza o pensamento coreográfico como saber erudito e bem cultural. Paula Varanda PIET GOETHALS

7

2

MICHEL CAVALCA

1

Centro Cultural Vila Flor / GUIdance (15 de Fevereiro); Teatro Académico de Gil Vicente, Coimbra (19 de Fevereiro); Teatro Municipal Maria Matos, Lisboa (20 e 21 de Fevereiro); O Espaço do Tempo, Montemor-o-Novo (4 de Junho); Teatro Virgínia, Torres Novas (14 de Novembro)

9

Companhia Nacional de Bailado Teatro Camões, Lisboa (5 a 15 de Fevereiro)

colectivo ironicamente hipster e na pulsão de vida e morte de duas baterias siamesas, reinscreveu o corpo masculino, e com ele uma visceral ideia de comunidade, na dança e no espaço público. Inês Nadais

5 Tábua Rasa

Trisha Brown

Henriett Ventura e Xavier Carmo (Companhia Nacional de Bailado) / António Cabrita e São Castro (Vo’Arte)

Trisha Brown Dance Company

Teatro Camões, Lisboa (21 a 23 de Maio)

Rogues Culturgest, Lisboa (20 e 21 de Novembro)

Integrada no programa de despedida da Trisha Brown Dance Company, agora que a sua histórica fundadora se reformou, Rogues (2011) representa o derradeiro fulgor criativo de Brown. Um tocante dueto masculino em que os corpos exploram o espaço num uníssono que, delicadamente, se quebra — enquanto fuga ou consolo. Gonçalo Frota

Este belíssimo naipe de intérpretescriadores soube preencher, com uma muito bem urdida coreografia intimista, um desempenho meticuloso e exigente, e o seu exemplar desenho de luz, um palco (literalmente) em branco. Um ousado mergulho fundo na paleta dos afectos, a provar que a dimensão lírica não está fora de moda na dança contemporânea. Luísa Roubaud

4

6

D’après une Histoire Vraie

A Festa (da insignificância)

Christian Rizzo

Paulo Ribeiro

Teatro Municipal Rivoli, Porto / Circular — Festival de Artes Performativas (26 de Setembro)

Companhia Paulo Ribeiro

Christian Rizzo quis festejar o espanto de ainda haver, neste mundo tão pós-tudo, a possibilidade de epifania. Cruzando a energia extraordinariamente primitiva e poderosa do folclore do Mediterrâneo, reencarnada num

Estreada no dia dos atentados de Paris, a celebração do 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro é uma ode, em tempos conturbados, à dança e à vida. A mais “brasileira” das peças de Ribeiro — rareiam incursões da nossa dança neste território — é exímia a esquivarse ao cliché (luso)tropicalista, e coloca, sem pudor e com mordacidade, arte contemporânea a rimar com alegria. L.R.

Escolhas de Gonçalo Frota, Inês Nadais, Luísa Roubaud e Paula Varanda

Quartet Teatro Municipal Rivoli, Porto (2 de Maio)

Tiago Rodrigues

3

8 Raimund Hoghe

A Perna Esquerda de Tchaikovsky Numa obra biográfica emocionante, Tiago Rodrigues elogiou a excelência profissional: com uma alegria poderosa, Barbora Hruskova partilha com o grande público a sua trabalhosa mas invejável carreira; em contraponto, Mário Laginha trouxe à peça uma composição imaginativa e uma presença pacífica fundamentais. P.V.

Na companhia de intérpretes e música pujantes, Tânia Carvalho revisitou a Odisseia de Homero com uma intrincada coreografia rodopiante e uma pungente atmosfera expressionista; o seu movimento, peculiar e original, consolida-se numa forte linguagem do presente que moldará a dança teatral do futuro. P.V.

Culturgest, Lisboa (13 e 14 de Novembro); Teatro Viriato, Viseu (18 e 19 de Dezembro)

Quartet é uma preciosa celebração da vida pós-trauma, nostálgica e consciente do efémero, comedida mas firme na manifestação de felicidade. A presença catalisadora de Hoghe (o aniversariante) varia entre o solene, o expedito e o humorista, num intrigante e interessante enredo de transformações. P.V.

9 Projecto Continuado João dos Santos Martins Plataforma de Artes e Criatividade / GUIdance (14 de Fevereiro); Culturgest, Lisboa (27 e 28 de Fevereiro)

Nesta travessia da história da dança euro-americana do século XX, imagens de arquivo foram mote para a experimentação. Uma peculiar coreografia-performance, que é uma inteligente e oportuna reflexão contextualizada sobre os nexos genealógicos, as continuidades e rupturas, a ligar a dança do passado à dos dias de hoje. L.R.

10 LAUF (in a course of a lifetime) Silke Z. resistdance, Deeper Drama e António Cabrita Centro Cultural Vila Flor, Guimarães (4 de Dezembro); Centro Cultural de Belém, Lisboa (11 e 12 de Dezembro)

Uma brilhante parábola existencialista sobre a velocidade absurda e extenuante com que transitamos entre o nascimento e a morte. Numa admirável articulação entre corpo, som e dispositivos multimédia, Cabrita entrega-se de corpo e alma a esta prestação a solo, e confirma a sua substância como intérprete-criador em destaque em 2015. L.R.

Página 43

Público Porto A44

ID: 62341056

18-12-2015

DANÇA Porto Teatro Helena Sá e Costa Rua da Alegria, 503. T. 225193760 Balleteatro Com Projecto Escolar do Balleteatro. Comp.: Balleteatro. De 18/12 a 19/12. 6ª às 21h30. Sáb às 16h 21h30. M/6.

Leça da Palmeira Mar Shopping

Tiragem: 33074

Pág: 39

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 11,45 x 16,46 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Av. Dr. Óscar Lopes. T. 229998700 A Cinderela no Gelo De Irmãos Grimm. Com Liliana Santos, José Fidalgo, Helena Laureano. Enc. João A. Guimarães. Coreog. Joana Quelhas. De 4/12 a 10/1. 6ª às 21h30. Sáb às 15h30 , 18h e 21h30. Dom às 11h , 15h30 e 18h (excepto dia 25 de Dezembro). Reservas: 707100079 ou [email protected] acinderelanogelo.com.

Maia Auditório da Quinta da Caverneira Avenida Pastor Joaquim Eduardo Machado Águas Santas. T. 222084014 Dois em Um Comp.: Estúdio B. De 17/12 a 18/12. 5ª e 6ª às 21h30. M/6. Duração: 60m.

Vila do Conde Teatro Municipal de Vila do Conde Avenida Doutor João Canavarro. T. 252290050 O Quebra-Nozes De E.T.A. Hoffmann (a partir). Comp.: Russian Ballet of Moscow. Mús. Pyotr Ilyich Tchaikovsky. Coreog. Marius Petipa, V. Vainonen. Dia 18/12 às 21h30. Bailado em dois actos.

Vila Nova de Gaia Auditório Municipal de Gaia Rua de Moçambique. T. 223771820 D. Quixote Comp.: Escola de Dança da Ass. Rec. e Cultural de Serzedo. De 18/12 a 19/12. 6ª e Sáb às 21h30. M/6.

Viseu Teatro Viriato Largo Mouzinho de Albuquerque. T. 232480110 A Festa (da Insignificância) Com Filipa Peraltinha, Teresa Alves da Silva, São Castro, André Cabral, António Cabrita, Allan Falieri, Valter Fernandes, Rosana Ribeiro, João Cardoso, Ana Jezabel. Comp.: Companhia Paulo Ribeiro. Coreog. Paulo Ribeiro. De 18/12 a 19/12. 6ª e Sáb às 21h30. M/12. Duração: 60m.

Página 44

A45

ID: 62358543

18-12-2015

Tiragem: 5300

Pág: 33

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 15,53 x 25,48 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

DANÇA

COREÓGRAFO SOBRE OS 20 ANOS DA COMPANHIA PAULO RIBEIRO “O QUE ESTÁ PARA A FRENTE NÃO TEM DESVANTAGENS”

A

Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, apresenta “A Festa (da insignificância)”, um espetáculo para “dar corpo à utopia”, no Teatro Viriato. Para ver nos dias 18 e 19 de dezembro

“A Festa (da Insignificância)” dá corpo a um percurso de 20 anos ou a uma festa de uma Companhia? Ou a nada disto? A Festa (da Insignificância) dá corpo ao corpo. Não está relacionada com o aniversário da companhia é uma coincidência feliz. Esta coreografia, este espectáculo procura sim, uma vez mais, desmistificar as ideias feitas no que se refere a alguma arte para alguns. Aqui teremos uma obra celebratória do prazer de se estar vivo e de partilhar colectivamente esse estado. Falamos de algo de uma intensidade tão grande em palco que salta para a plateia. O livro “Uma Coisa Concreta” é a história da Companhia? Não. É o olhar de vários especialistas sobre as obras ou melhor a OBRA criada pela companhia ao longo de duas décadas. É um livro técnico poético profundo belo e muito emocionante pela qualidade e densidade da escrita de cada colaborador. Há um discurso ou vários discursos nas coreografias que têm feito estes últimos 20 anos? Esta resposta está no livro! Pessoalmente não tenho competências para responder.....

O coreógrafo da Companhia, Paulo Ribeiro

O percurso da Companhia Paulo Ribeiro é o mesmo da dança contemporânea em Portugal? Não percebo bem a pergunta. No entanto diria que o percurso da companhia é o meu com as particularidades de uma linguagem própria. A dança contemporânea em Portugal é o resultado do somatório de muitas linguagens e percursos e individualidades. A história da Companhia seria muito diferente estando em Viseu ou, por exemplo, na França?

Imagino que sim. Falaríamos todos mais francês, inclusive os meus filhos. Quais as vantagens e desvantagens da Companhia estar sedeada em Viseu? Peço desculpa mas ao longo dos quase dezassete que resido nesta cidade já falei tanto sobre este assunto que não vale a pena voltar. Apraz-me acrescentar que, a vida é feita do que está para a frente e não para trás, e quero acreditar que o que está para a frente não tem desvantagens.

“A FESTA (DA INSIGNIFICÂNCIA)”

Com coreografia e direção de Paulo Ribeiro, “A Festa (da insignificância)” tem interpretação de Ana Jezabel Carreira, Filipa Peraltinha, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes.

A música é de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper, é interpretada ao vivo pelos músicos do Drumming Grupo de Percussão, sob direção de Miquel Bernat. Os figurinos são José António Tenente, o desenho de luz de Nuno Meira, e a produção é da Companhia Paulo

Ribeiro com o Théâtre De Chaillot e Scène National De Besançon - onde a nova coreografia também será apresentada -, Fundação Caixa Geral de Depósitos - Culturgest, Teatro Nacional São João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu. Página 45

Jornal de Notícias - Porto A46

ID: 62340895

18-12-2015

Tiragem: 75041

Pág: 43

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,39 x 4,39 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

DANÇA via« A festa (da InsignIlkAncla) Produção: Companhia Pauto Ribeiro. Coreografia e direção: Paulo Ribeiro. Interpretação: Ana lezabel Fllipa Peraltinha. Teresa Alves da Silva, Rosana Ribeiro, São Castro, Allan Falieri, André Cabral António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes. Às 21.30 h. Teatro Viriato Mouzinho de Albuquerque). Tel. 232480119. Até dia 19.

Página 46

A47

Companhia Paulo Ribeiro apresenta em Viseu "festa intensa"

Tipo Meio:

Internet

Meio:

In Dancing Shoes Online

Data Publicação:

18-12-2015

URL:http://www.indancingshoes.com/2015/12/companhia-paulo-ribeiro-apresenta-em.html

A Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, vai fazer subir ao placo do Teatro Viriato, em Viseu, "uma festa muito rica e intensa", que promete sair do palco para a plateia, "envolvendo o público numa onda de celebração". "Vamos ter uma festa, uma celebração, uma coreografia muito rica e intensa, que passa de momentos lúdicos e provocatórios para outros mais densos, mais profundamente humanos, sensuais, individuais. Tudo isto vai acontecendo porque, a pouco e pouco, a peça vai saindo do palco para a plateia, com o público a ser envolvido nesta onda de celebração", descreveu Paulo Ribeiro, coreógrafo e bailarino que dá nome à companhia. O espetáculo de dança intitulado "A Festa (da insignificância)" sobe ao placo do Teatro Viriato na sexta-feira e no sábado, depois de ter estreado há cerca de um mês em Lisboa, no grande auditório da Culturgest. "Na Culturgest, uma casa muito séria, foi fantástico ver a reação do público, fiquei espantadíssimo, não pensei que as pessoas fossem tão cúmplices deste projeto como foram. Em Viseu, espero o mesmo ou até mais, pois é a nossa cidade e as pessoas estão muito mais à vontade na sua casa, para além de a sala ser mais íntima e calorosa, o que aproxima", referiu. Com coreografia e direção de Paulo Ribeiro, "A Festa (da insignificância)" tem interpretação de Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes. A música é de Tom Zé, Matthew Shlomowitz e Ben Harper, sendo interpretada ao vivo pelos músicos do Drumming Grupo de Percussão, sob a direção de Miquel Bernat. Os figurinos são de José António Tenente, o desenho de luz de Nuno Meira e a produção é da Companhia Paulo Ribeiro. A coprodução é do Théâtre De Chaillot e Scène National De Besançon, Fundação Caixa Geral de Depósitos - Culturgest, Teatro Nacional S. João, Teatro Viriato e Câmara Municipal de Viseu. De acordo com Paulo Ribeiro, que é também o diretor do Teatro Viriato, "A Festa (da insignificância)" tem já "várias datas agendadas", chegando ao Théâtre De Chaillot (Paris) no final de 2016. "Daqui a um ano, de 06 a 09 de dezembro, estaremos na melhor sala de Paris em dança: o Théâtre De Chaillot. Vão ser quatro dias numa sala de 1.200 lugares", revelou. Criada em 1995, a companhia que Paulo Ribeiro fundou em nome próprio celebra 20 anos e o balanço "não podia ser melhor". "Se olharmos para a cidade, constatamos que a chegada da companhia a Viseu criou uma série de outras dinâmicas, que são muito interessantes: o teatro, o Lugar Presente, a escola. E penso que outras coisas virão", concluiu. Fonte RB*

Página 47

A48

Companhia Paulo Ribeiro apresenta "festa intensa"

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Diário de Viseu Online

Data Publicação:

18-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=cd6a484e

Espectáculo que assinala 20.º aniversário da companhia sobe hoje e amanhã ao palco do Teatro Viriato Sexta, Dezembro 18, 2015 A Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, vai fazer subir ao palco do Teatro Viriato, em Viseu, "uma festa muito rica e intensa", que promete sair do palco para a plateia, "envolvendo o público numa onda de celebração". "Vamos ter uma festa, uma celebração, uma coreografia muito rica e intensa, que passa de momentos lúdicos e provocatórios para outros mais densos, mais profundamente humanos, sensuais, individuais.

Página 48

A49

ID: 62341317

18-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 12,48 x 20,87 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 2

Companhia Paulo Ribeiro apresenta “festa intensa” Dança Espectáculo que assinala 20.º aniversário da companhia sobe hoje e amanhã ao palco do Teatro Viriato A Companhia Paulo Ribeiro, que celebra 20 anos, vai fazer subir ao palco do Teatro Viriato, em Viseu, "uma festa muito rica e intensa", que promete sair do palco para a plateia, "envolvendo o público numa onda de celebração". "Vamos ter uma festa, uma celebração, uma coreografia muito rica e intensa, que passa de momentos lúdicos e provocatórios para outros mais densos, mais profundamente humanos, sensuais, individuais. Tudo isto vai acontecendo porque, a pouco e pouco, a peça vai saindo do palco para a plateia, com o público a ser envolvido nesta onda de celebração", descreveu Paulo Ribeiro, coreógrafo e bailarino que dá nome à companhia. O espectáculo de dança intitulado "A Festa (da insignificância)" sobe hoje e amanhã ao palco do Teatro Viriato, depois de ter estreado há cerca de um mês em Lisboa, no grande auditório da Culturgest. "Na Culturgest, uma casa muito séria, foi fantástico ver a reacção do público, fiquei espantadíssimo, não pensei que as pessoas fossem tão cúmplices deste projecto como foram. Em Viseu, espero o mesmo ou

JOSÉ ALFREDO

Espectáculo estreou há cerca de um mês na Culturgest

até mais, pois é a nossa cidade e as pessoas estão muito mais à vontade na sua casa, para além de a sala ser mais íntima e calorosa, o que aproxima", referiu. Com coreografia e direcção de Paulo Ribeiro, "A Festa (da insignificância)" tem interpretação de Ana Jezabel, Filipa Peraltinha, Rosana Ribeiro, São Castro, Teresa Alves da Silva, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso e Valter Fernandes. A música é interpretada ao vivo pelos músicos do Drumming Grupo de Percussão, sob a direcção de Miquel Bernat. De acordo com Paulo Ribeiro, que é também o director do Teatro Viriato, "A Festa (da insignificância)" tem já "várias

datas agendadas", chegando ao Théâtre De Chaillot (Paris) no final de 2016. "Daqui a um ano, de 6 a 9 de Dezembro, estaremos na melhor sala de Paris em dança: o Théâtre De Chaillot. Vão ser quatro dias numa sala de 1.200 lugares", revelou. Criada em 1995, a companhia que Paulo Ribeiro fundou em nome próprio celebra 20 anos e o balanço "não podia ser melhor". "Se olharmos para a cidade, constatamos que a chegada da companhia a Viseu criou uma série de outras dinâmicas, que são muito interessantes: o teatro, o Lugar Presente, a escola. E penso que outras coisas virão", concluiu. |

Página 49

ID: 62341317

18-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 1

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 10,02 x 4,80 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 2 de 2

“A Festa” no palco do Teatro Viriato Espectáculo de dança assinala 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro Página 6

Página 50

A51

ID: 62341306

18-12-2015

Tiragem: 5000

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 12,38 x 20,87 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

tome nota HOJE “A Festa” no Teatro Viriato O Teatro Viriato recebe, hoje e amanhã, às 21h30, a peça “A Festa (da Insignificância)”, que visa assinalar o 20.º aniversário da Companhia Paulo Ribeiro. O coreógrafo tem a pretensão de “dar corpo às motivações interiores e secretas, dar corpo à utopia, à expectativa e à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades”.

Ceia de Natal d’Os Ribeirinhos A Direção do Grupo Desportivo "Os Ribeirinhos" leva a efeito a “Ceia de Natal Riberinha”, pelas 20h00, no restaurante Apito do Árbitro, para sócios, atletas e amigos.

Eleições nas Obras Sociais da Câmara As Obras Sociais do Pessoal da Câmara Municipal e Serviços Municipalizados de Viseu irão realizar a eleição dos seus órgãos sociais, no Salão Multiusos da instituição.

18h30, o chef Paulo Cardoso, no Espaço Teka, no Piso 0, para uma sessão de showcooking. Amanhã, os chefs Luís Almeida e João Estáquio, estarão no espaço Teka, às 11h30 e 16h00, respectivamente. Domingo, às 16h00, realiza-se o pick-nick com os cinco chefs que participam na iniciativa.

leva a cabo a 2.ª ronda do Torneio Interno de Xadrez, no âmbito do projecto Xadrez no Museu, em co-organização com o Clube de Xadrez da UGT de Viseu e o Tesouro da Misericórdia. O evento decorre entre as 15h00 e as 17h30.

Henri Josh & Katorz pres. Kash AMANHÃ Apresentação de livros na Fnac Às 16h00, Inês Mocho vai estar na Fnac para apresentar o livro “Maquilhagem Real para Mulheres Reais”, da sua autoria. Às 18h30, a Fnac recebe a apresentação do livro “Uma década pela Igualdade e Contra a Violência do Género”, da deputada Elza Pais, numa sessão promovida pela Edições Esgotadas.

O ICE Club Viseu recebe a dupla Henri Josh & Katorz pres. Krash, que vão apresentar a música do momento, Jump Into Your Life, que toca nas melhores rádios nacionais.

DOMINGO Académico recebe Mafra no Fontelo O Académico recebe, às 15h00, no Fontelo, a equipa do Mafra, em jogo a contar para a 21.ª jornada da II Liga.

Natal no Mercado Municipal O Mercado Municipal de Viseu recebe, entre as 10h00 e as 12h00, os profissionais da Confeitaria Amaral, que darão dicas sobre a confecção de bolo rei.

Show-cooking no Forum

Xadrez no museu

O Forum Viseu recebe, pelas

OMuseu Nacional Grão Vasco

Vozes Brancas na Igreja do Viso A Igreja de Nossa Senhora do Viso recebe, às 21h00, o concerto Vozes Brancas, inserido na programação de Natal do município. Vão actuar os Coros Juvenis do Conservatório, o Grupo Contigo, o Coro Mozart, o Vox Visio e a Orquestra Juvenil de Viseu.

Página 51

A52

ID: 62376983

18-12-2015

Tiragem: 4900

Pág: 6

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 26,28 x 14,88 cm²

Âmbito: Regional

Corte: 1 de 1

Apresentada a agenda da nova temporada do Teatro Virgínia Sábado, dia 12, à noite, no Foyer do Teatro Virgínia, foi apresentada a nova agenda do Teatro Virgínia, com a programação de janeiro a março de 2016, de onde se destacam presenças na nova temporada como Camané, Rodrigo Leão e Mário Daniel, mas também a prata da casa, neste caso o que de bom se faz pelo concelho. Exemplo disso mesmo é a Velha Riachense ou a Euterpe Meiaviense que vão pisar o palco do Virgínia no início do ano.

N

esta  apresentação que contou com a presença da Vereadora da Cultura, Elvira Sequeira e da Vereadora do Bloco de Esquerda, Helena Pinto, assim como do diretor artístico do Teatro, Rui Sena, Elvira Sequeira, em representação  do  Município afirmou que é objetivo do Teatro Virgínia “formar os munícipes. Temos grandes espetáculos mesmo aqui à porta sem ser necessário deslocarem-se aos grandes centros. Nesta programação tentamos também incluir os que têm trabalhado em prol da cultura no concelho e quisemos abrir a porta a esses artistas”, destacou a autarca.

Rui Sena, por seu lado afirmou que foi sua preocupação, em conjunto com o Município “pensar em públicos  diferenciados, programando  espetáculos de  grande  criatividade portuguesa”, na expetativa de que o Teatro “seja visitado pelos torrejanos”. Rui Sena anunciou ainda a criação de um novo projeto: Teatro Idade Maior, inserido no Lab Criativo. Nesta nova programação que vai de janeiro a março, destacam-se assim na música Camané, com o mais recente álbum Infinito Presente e que se apresentará em Torres Novas a 23 de janeiro, e Rodrigo Leão, que trará consigo O Retiro a 6 de fevereiro.

Mário  Daniel,  autor, apresentador e mágico do «Minutos  Mágicos»  da SIC trará o espetáculo de ilusionismo Fora do Baralho a 30 de janeiro e na dança a Companhia Paulo Ribeiro apresenta A Festa (da Insignificância) a 5 de março. No teatro, Misterman, de Elmano Sancho, a 20 de  fevereiro  e  Hamlet Talvez, a partir do texto de William Shakespeare,

a 19 de março, no âmbito da comemoração do Dia Mundial do Teatro. Dando especial atenção às parcerias locais, a abertura desta nova temporada estará a cargo da Sociedade Velha Filarmónica Riachense, no dia 9 de janeiro e, no fim de semana seguinte, no dia 16, Vera Montero apresentará o espetáculo Dança para Músicos, em colaboração com a Sociedade Filarmó-

nica Euterpe Meiaviense. Para o público mais novo estão agendadas um conjunto  de  atividades como o teatro Amarelo, de Catarina Requeijo, dos 3 aos 6 anos que subirá ao palco nos dias 12 e 13 de fevereiro), E Se Tudo Fosse Amarelo, de Sílvia Real, dos 6 aos 10 anos (26 e 27 de fevereiro e Universos Paralelos, da companhia Mala Voadora, para alunos do 3.º ciclo e secun-

dário, nos dias 11 e 12 de março. A propósito do Dia de São Valentim, e falando de (des)amor, haverá a projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas Broken Parts. No âmbito do Lab Criativo haverá ainda lugar para diversas atividades e oficinas, como um atelier de escrita criativa em parceria com a Biblioteca Municipal Gustavo Pinto Lopes ou oficinas de dança, improvisação vocal e instrumental, Um Artista na Escola ou o Ensaio Aberto. Os bilhetes estarão à venda a partir de amanhã, terça-feira, dia 15 de dezembro, na bilheteira do Teatro Virgínia (terça a sexta das 13 às 19 horas e sábado das 15 às 19 horas) ou na Bilheteira Online (www.bol.pt)  Para informação mais detalhada consulte a agenda do Teatro Virgínia em: http://www.teatrovirginia.com/ Célia Ramos

Página 52

Público Porto A53

ID: 62355582

19-12-2015

DANÇA Porto Teatro Helena Sá e Costa Rua da Alegria, 503. T. 225193760 Balleteatro Com Projecto Escolar do Balleteatro. Comp.: Balleteatro. De 18/12 a 19/12. 6ª às 21h30. Sáb às 16h 21h30. M/6.

Leça da Palmeira

Tiragem: 33074

Pág: 34

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 16,31 x 17,45 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

Mar Shopping Av. Dr. Óscar Lopes. T. 229998700 A Cinderela no Gelo De Irmãos Grimm. Com Liliana Santos, José Fidalgo, Helena Laureano. Enc. João A. Guimarães. Coreog. Joana Quelhas. De 4/12 a 10/1. 6ª às 21h30. Sáb às 15h30, 18h e 21h30. Dom às 11h, 15h30 e 18h (excepto dia 25 de Dezembro). De 21/12 a 10/1. 2ª às 15h30. De 21/12 a 23/12. 3ª e 4ª às 15h30 e 18h. De 26/12 a 27/12. Sáb às 15h30, 18h e 21h30. Dom às 11h, 15h30 e 18h. De 28/12 a 29/12. 2ª às 11h e 15h30. 3ª às 11h, 15h30 e 18h. De 1/1 a 2/1. 6ª e Sáb às 15h30, 18h e 21h30.

De 3/1 a 7/1. Dom às 11h, 15h30 e 18h. 2ª a 5ª às 21h30. De 8/1 a 10/1. 6ª às 15h30 e 21h30. Sáb às 15h30, 18h e 21h30. Dom às 11h, 15h30 e 18h. Reservas: 707100079 ou [email protected]

Vila Nova de Gaia Auditório Municipal de Gaia Rua de Moçambique. T. 223771820 D. Quixote Comp.: Escola de Dança da Ass. Rec. e Cultural de Serzedo. De 18/12 a 19/12. 6ª e Sáb às 21h30. M/6.

Viseu Teatro Viriato Largo Mouzinho de Albuquerque. T. 232480110 A Festa (da Insignificância) Com Filipa Peraltinha, Teresa Alves da Silva, São Castro, André Cabral, António Cabrita, Allan Falieri, Valter Fernandes, Rosana Ribeiro, João Cardoso, Ana Jezabel. Comp.: Companhia Paulo Ribeiro. Coreog. Paulo Ribeiro. De 18/12 a 19/12. 6ª e Sáb às 21h30. M/12. Duração: 60m.

Página 53

A54

ID: 62355365

19-12-2015

Tiragem: 75041

Pág: 45

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Diária

Área: 4,20 x 4,47 cm²

Âmbito: Informação Geral

Corte: 1 de 1

DANÇA Viseu A festa (da Insignificância) Produçâoi Companhia Paulo Ribeiro. Coreografia e direçam Pauto Ribeiro. Interpretaçâoi Ana lezabel Filipa PeraltInha, Teresa Alves da Silva. Rosana Ribeiro. Sôo Castro, Allan Falleri, André Cabral, Antônio Cabrita, lobo Cardoso e Vatter Fernandes. As 21.30 h. Teatro ViriaM (Lg. Mouzinho de Albuquerque). Tel. 232480119. Ultimo dia.

Página 54

A55

ID: 62356776

19-12-2015 | Revista E

Tiragem: 98880

Pág: 61

País: Portugal

Cores: Preto e Branco

Period.: Semanal

Área: 19,13 x 7,07 cm²

Âmbito: Lazer

Corte: 1 de 2

Balanço

Os melhores de 2015

Página 55

ID: 62356776

19-12-2015 | Revista E

Tiragem: 98880

Pág: 77

País: Portugal

Cores: Cor

Period.: Semanal

Área: 23,50 x 27,67 cm²

Âmbito: Lazer

Corte: 2 de 2

DANÇA

Escolhas

Um mundo inteiro por (re)descobrir em “Projeto Continuado” de João dos Santos Martins

PROJETO CONTINUADO De João dos Santos Martins

UNTITLED (2000) De Tino Sehgal Versões de Andrew Hardwidge, Franka Willems e Boris Charmatz

RETROSPETIVA De Trisha Brown Dance Company

A FESTA DA INSIGNIFICÂNCIA De Paulo Ribeiro

CABUL De Rui Horta

JOSÉ CARLOS DUARTE

A PERNA ESQUERDA DE TCHAIKOVSKI

Reativar a memória Por referência histórica ou em jogos de perceção, a dança ativa o estranhamento em cena

A

TEXTO CLAUDIA GALHÓS ligação entre os tempos marca o tempo em que vivemos. A dança é um lugar vibrante e enigmático. Na sua diversidade, os criadores constroem espaços de muitas intimidades, conflitos, tensões. Está no corpo humano, fonte de confluência de todas as crises e sensações. E o corpo humano está no corpo do bailarino. A dança é rica, poética e filosófica na sua mais elevada condição. Nesse território de poesia e estranhamento, em escalas de intimidade e com universos muito distintos, estão as peças de Sónia Baptista e de Tânia Carvalho. E, sinal dos tempos também, a dança constitui-se em acumulações de referências de linhagens familiares aparentemente muito

De Tiago Rodrigues Companhia Nacional de Bailado

A FALHA DE ONDE A LUZ De Sónia Baptista

O QUE FAZER DAQUI PARA TRÁS De João Fiadeiro

A TECEDURA DO CAOS De Tânia Carvalho

distantes, reapropriando e dando novas configurações a experiências que vêm do passado. A lista que aqui se propõe é a de melhores peças, mas tendo em vista constituir uma narrativa possível, pertinente, desses sinais dos tempos em que vivemos. Para grande privilégio, Lisboa contou com a passagem da Trisha Brown Dance Company com peças de palco, em período de despedida da circulação destas obras históricas dançadas pelos seus bailarinos. É entusiasmante assistir a uma peça de grande fôlego de um jovem criador português, também extraordinário bailarino, João dos Santos Martins, que com inteligência, humor e impertinência compõe uma obra que viaja por múltiplas referências. A afirmação reduz o desdobramento de significados que a peça propõe. O seu grande valor é constituir-se enquanto obra total. Tino Sehgal já tinha experimentado questionar esta lógica em 2000, quando criou “Twenty Minutes for the Twentieth Century”, que viajava por diferentes linguagens artísticas sem identificar quem citava nos movimentos usados para compor a coreografia. Esta mesma peça ganha nova dimensão na reapropriação atualizada por três bailarinos, em “Untitled”, com destaque para Boris Charmatz, no contexto

D’APRÈS UNE HISTOIRE VRAIE De Christian Rizzo

do seu Museu (vivo) da Dança. Tudo isto valoriza aquilo que o lugar do teatro (como casa das artes vivas) é e que, por via da dança, assume maior responsabilidade: lugar de memória. Não é apenas sobre a história do passado, mas sobre os mecanismos de perceção e reconhecimento, ou de estranhamento, que produzem no espectador. É nesse território, de modo muito diverso, que atua a obra de Rui Horta ou a de João Fiadeiro, provando a vitalidade existente na primeira geração da chamada Nova Dança Portuguesa. Este foi ano de celebração, a comprovar a maturidade destes criadores — O Espaço do Tempo, de Rui Horta, celebrou 15 anos, a Companhia Paulo Ribeiro 20 anos... Não cabe aqui o programa de celebração dos 20 anos da Companhia Olga Roriz, mas foi marcante o revisitar de obras históricas, como “Pedro e Inês” (2003) ou “Propriedade Privada” (1996). E é ano de celebração da generosidade, nas peças que procuram, de forma criativa e muito sensível, estratégias alternativas para tornar a dança mais próxima do espectador, como é o caso de Paulo Ribeiro, de Tiago Rodrigues ou de Christian Rizzo. b

Página 56

A57

"A Festa (da insignificância)"

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Rádio Nova Online

Data Publicação:

22-12-2015

URL:http://www.radionova.fm/agenda/ler/5932

18 de Fevereiro a 20 de Fevereiro | Porto A Companhia Paulo Ribeiro celebra vinte anos, e não houve um único sem uma ou mais criações. Há neste percurso um movimento perpétuo de exploração de espaço, ideias, conceitos, dúvidas, encontros, desencontros, surpresas, enfim, uma coreografia que soma todas as outras num espaço aberto delimitado apenas pela interioridade. Um mergulho no mais profundo de si próprio com a vontade de encontrar o que de melhor se pode oferecer a quem decide partilhar esta aventura connosco. Como diz Bergman, sem um tu não pode haver um eu. É esta a beleza de todas as relações, muito especialmente a da relação entre autor e público. O processo criativo é quase sempre angustiante, mas também festivo. Inevitavelmente celebramos a totalidade das nossas possibilidades físicas e mentais. Há sempre uma entrega que nos ultrapassa. Há sempre surpresa, há sempre festa!!! Há sempre uma dimensão de ritual que nos transforma, que vivifica, que altera, que nos aproxima do outro. E é esta a minha festa. Quero festejar para dar corpo às motivações interiores e secretas. Dar corpo à utopia, à expectativa, à vontade de criar uma plataforma de entendimentos e cumplicidades. E isso não se limita ao espaço circunscrito do palco. Estende-se a todos os que estão presentes, sejam eles passivos ou ativos. Porque a festa é a todas as dimensões. A festa é já um múltiplo poliédrico de emoções provocadas pela relação com a natureza, com o outro e com as forças imanentes que se gozam na alegria com que se exterioriza a sua própria evocação. Uma são muitas; muitas são uma! É sempre evasão do quotidiano; carnaval de transgressão; má(s)cara que oculta personagens de convencionais rotinas. Sempre corpo e alma, grito explosivo de alegria e liberdade. Enfim, a festa pode ser tudo, desde que manifestação de prazer. Até mesmo a simples carícia é uma festa. Paulo Ribeiro e João Luís Oliva direção e coreografia Paulo Ribeiro interpretação

Página 57

Ana Jezabel Carreira, Filipa Peraltinha, Teresa Alves da Silva, Rosana Ribeiro, São Castro, Allan Falieri, André Cabral, António Cabrita, João Cardoso, Valter Fernandes; músicos ao vivo Miquel Bernat, Miguel Moreira (Drumming - Grupo de Percussão) coprodução Companhia Paulo Ribeiro, Théâtre National de Chaillot, Scène National de Besançon, Culturgest, Teatro Viriato, Câmara Municipal de Viseu, TNSJ Qui-sáb 21h Teatro Nacional São João

Página 58

A59

TNSJ Dá as Boas Vindas a 2016 Com Sete Estreias Lazer e Viagens

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Canela & Hortelã Online

- C&H, Revista Online de Cultura,

Data Publicação:

22-12-2015

URL:http://canelaehortela.com/tnsj-da-as-boas-vindas-a-2016-com-sete-estreias8521/

O Teatro Nacional São João (TNSJ), no Porto, inicia o novo ano com 14 espetáculos, sete deles estreias. Um dos destaques será a primeira apresentação nacional de Guerra - coprodução do Festival Internacional de Teatro Tchekhov e do Festival Internacional de Edimburgo, reforçando os laços com o festival russo, um dos mais influentes a nível mundial no que toca às artes de palco, onde Sombras, produção da Casa, esteve em cena em 2013 com enorme sucesso. O ano arranca a 14 de janeiro com Doce Pássaro da Juventude, de Tennessee Williams, espetáculo em cena até 31 de janeiro e que marca o regresso dos Artistas Unidos ao TNSJ. No mesmo mês, o TNSJ celebra Shakespeare, assinalando os 400 anos da morte do poeta e dramaturgo. Ana Luísa Amaral lidera um seminário em que os participantes são convidados a ler e decifrar seis peças do mapa-mundo do autor. Já Nuno Carinhas orienta a Oficina Auto da Feira, num regresso do diretor artístico ao universo de Gil Vicente que tão bem conhece. No Dia Mundial do Teatro, este ano uma vez mais convertido em Semana Mundial do Teatro, o TSNJ apresenta duas estreias: Beijo, com encenação de Jorge Pinto, e Águas Profundas + Terminal de Aeroporto, com encenação de Nuno M. Cardoso. Da programação constam ainda os novos projetos de Victor Hugo Pontes - Se alguma vez precisares da minha vida, vem e toma-a, em cena de 11 a 13 de fevereiro, no TNSJ -, e de Paulo Ribeiro, com A Festa (da Insignificância), de 18 a 20 de fevereiro, no TNSJ, que assinala os 20 anos da companhia liderada pelo coreógrafo. Elmano Sancho com Misterman, espetáculo que lhe valeu o prémio de melhor ator de teatro em 2014, atribuído pela Sociedade Portuguesa de Autores, é outra das peças de referência no primeiro trimestre. Uma das novidades será também o bilhete conjunto para visitas guiadas, quer ao Teatro Nacional São João, quer ao Mosteiro de São Bento da Vitória, que desde novembro está também aberto a todos os interessados. A partir de janeiro, o bilhete para conhecer os dois espaços custará 6 euros. Texto de Sandra Mesquita - Porto Terça-feira, 22 de Dezembro de 2015

Página 59

A60

Camané e Rodrigo Leão no primeiro trimestre de 2016 em Torres Novas

Tipo Meio:

Internet

Meio:

Médio Tejo Online

Data Publicação:

29-12-2015

URL:http://www.pt.cision.com/s/?l=5c7a0b76

Espetáculos com Camané e Rodrigo Leão estão entre os destaques da programação do Teatro Virgínia, em Torres Novas, para o primeiro trimestre de 2016, anunciou o município torrejano. Camané vai apresentar o seu mais recente álbum, "Infinito Presente", no Teatro Virgínia, a 23 de janeiro, estando o espetáculo "O Retiro", de Rodrigo Leão, agendado para 06 de fevereiro, destacando o diretor artístico do Virgínia, Rui Sena, o facto de a abertura da temporada estar a cargo de uma associação local, a Sociedade Velha Filarmónica Riachense, que atua a 09 de janeiro. "Traduz a nossa vontade de dar espaço às estruturas da região, consubstanciada em vários momentos tanto neste trimestre, como ao longo do ano", afirma Rui Sena no editorial do programa disponível em http://www.teatrovirginia.com/fotos/noticias/tv_janmar2016_low_1450093496.pdf. O diretor do Teatro Virgínia realça, ainda, a continuação da colaboração com a Associação Cultural Materiais Diversos, que permitirá a apresentação, a 16 de janeiro, do espetáculo "Dança para Músicos", de Vera Mantero, em colaboração com a Sociedade Filarmónica Euterpe Meiaviense. Paulo Ribeiro, que em 2016 celebra os 20 anos da sua companhia de dança, apresenta, a 05 de março, "A Festa (da Insignificância)", enquanto o Dia Mundial do Teatro será assinalado com "Hamlet Talvez - a partir do texto de William Shakespeare", pela companhia de João Garcia Miguel, a 19 de março. No teatro, Rui Sena salienta ainda "Misterman", um monólogo a partir da obra do premiado dramaturgo Enda Walsh, por Elmano Sancho, a 20 de fevereiro, "Universos Paralelos", pela companhia Mala Voadora, é o outro espetáculo inserido na parceria com a Materiais Diversos, uma provocação "em relação à crença na estabilidade da ciência" lançada aos adolescentes no dia 11 de março, com espetáculo para o público em geral no dia seguinte. A programação para os mais novos inclui ainda a peça de teatro "Amarelo", de Catarina Requeijo, para um público dos 3 aos 6 anos, nos dias 12 e 13 de fevereiro, e "E Se Tudo Fosse Amarelo", de Sílvia Real (dos 6 aos 10 anos), a 26 e 27 de fevereiro, com "uma incursão no mundo da magia", a 30 de janeiro, com Mário Daniel e o espetáculo de ilusionismo "Fora do Baralho". O Dia de São Valentim (14 de fevereiro) será assinalado com um projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas, "Broken Parts - de cortar à faca", de Vera Alvelos, que, além do espetáculo agendado para 13 de fevereiro, desenvolve ateliês na semana seguinte, de 16 a 19, destinados a alunos do 3.º ciclo e secundário. "'Broken Parts' é um projeto teatral e expositivo sobre relações acabadas, inspirado no Museu das Relações Acabadas de Zagreb e no livro 'A inocência dos objetos', de Orhan Pamuck", realça a programação. O serviço educativo do Teatro Virgínia irá desenvolver um conjunto de atividades dinamizadas por criadores como Catarina Requeijo, Sílvia Real, Vera Alvelos e Marta Tomé, prosseguindo os ensaios do Grupo Juvenil do Virgínia e do Atelier Teatral dos Miúdos, bem como o desafio aos maiores de 50 anos, com ou sem experiência, para integrarem o projeto Teatro Maior de Idade a partir de janeiro. 2015-12-29T11:00:15+00:00

Página 60